Principais erros nas produções do ensino fundamental

Roberta Rinaldi dos Corretores

É comum que muitos alunos cheguem ao Ensino Médio com graves deficiências na escrita, quando deveriam já estar plenamente capacitados para uma boa produção textual.

Isso denota a importância de um olhar atento às inadequações cometidas ainda no Ensino Fundamental, momento em que o aperfeiçoamento da habilidade está em processo. Nossa função é, além de pontuar erros e acertos, estimular o aluno à prática frequente e à autonomia para reconhecê-los nas práticas futuras.

Neste post, iremos citar os principais erros cometidos pelos alunos do Ensino Fundamental, para que tenhamos um olhar mais apurado quanto a eles durante a correção e saibamos, de forma eficiente, orientá-los para que não comentam mais esses deslizes. Confira:

  • Não interpretação da proposta 

Compreender uma proposta de produção pode ser um desafio para os alunos, que precisam fazer inferências pessoais com o assunto a ser discutido. É comum que os estudantes leiam o tema e interpretem em um plano mais subjetivo devido a isso. Portanto, caso a proposta não tenha sido contemplada no texto, é importante que saibamos demonstrar o diálogo entre o tema e as vivências cotidianas, por exemplo.

  • Problemas de coesão  

“Comprou uma agenda para mãe e comprou um relógio para o pai e comprou uma camisa para o irmão.”

Frases assim são recorrentes em textos do Ensino Fundamental, e denotam a pouca capacidade de estabelecer coesão entre as partes de uma oração. Aqui, precisamos começar a trabalhar as noções de sintaxe, a aprimorar o repertório de conectivos e a ajudar a formular de forma clara o que está sendo dito.

“Comprou uma agenda para a mãe, um relógio para o pai, além de uma camisa para o irmão.”  

  • Falta de concordância  

Alguns erros de concordância ocorrem com frequência graças à grande quantidade de regras e convenções gramaticais que os alunos no ensino fundamental ainda estão aprendendo ou ainda não tiveram contato. Os mais comuns são com o verbo “ser”, “haver” e com a partícula “se”.  

  • Divisão silábica 

Ao se ver no final de uma linha, muitos alunos podem, ao invés de separar corretamente a palavra, fragmentá-la de forma aleatória. É preciso reforçar bem a importância da divisão silábica, pois ela interfere na capacidade de acentuar corretamente as palavras.

  • Erro com o verbos no infinitivo  

Por geralmente não pronunciarmos o “r” final dos verbos no infinitivo, é comum que os alunos se esqueçam dele na hora da escrita. Por isso, sentenças como “pelo fato de a pessoa está doente, ela não consegue pedir ajuda” são comuns. 

  • Ortografia  

Não é um erro exclusivo dos alunos do ensino fundamental, mas é nessa fase da educação que o aluno precisa ser ainda mais cobrado para que não internalize o erro, mas sim o acerto. É interessante sugerir ao aluno que leia mais, afinal, a leitura é uma importante estratégia para que se alcance a excelência nas produções textuais.

  • Marca de oralidade  

Referenciar alguém como não ser “flor que se cheire”, dizer que uma certa ação “pegou mal” ou que “não é brincadeira” são formas de expressão próprias da fala cotidiana. A noção de que algumas expressões não são adequadas ao contexto de escrita é importante de ser trabalhada em sala. É a partir dessa contextualização que o aluno começa a aprender a modalizar o discurso.

Fique atento e lembre-se: é preciso motivar, impulsionar o aluno à constante tentativa, pois só com o treino ele irá alcançar a excelência em produção textual. Até a próxima! 😉

Vamos debater sobre?