Redação: A questão do aborto no Brasil

Roberta Rinaldi Exemplo de redação

[1] Se para François Mauriac, escritor francês, separar a liberdade da justiça constitui um pecado social por excelência, para a sociedade brasileira hodierna tal ideário não poderia ser diferente. Sob esse viés, a questão do aborto no Brasil, e sua criminalização, afronta não somente [2] à dignidade feminina, mas também [3] ao profundo debate da saúde pública no país. Nesse sentido, afere-se que tal panorama reflete um cenário catastrófico, seja pela persistência de valores éticos e morais sobre a questão, seja por intempéries políticas-estruturais da faceta nacional. [4][5]

A princípio, é possível perceber que tais circunstâncias devem-se à persistência de valores socioculturais. Gilberto Freire, excepcional sociólogo brasileiro, em Casa-Grande e Senzala repassa a percepção de que o caráter do povo decorre de valores assimilados pelo período colonial. Sob tal concepção, é indubitável que inúmeros dogmas religiosos disseminados constituem um dos principais empecilhos na evolução do processo do aborto, pois enquanto insistem no debate congênito, milhares de mulheres continuam a morrer todos os anos vítimas de clínicas clandestinas, sobretudo as pobres. Além disso, a supremacia masculina dentro da faceta política nacional retarda qualquer tipo de desenvolvimento democrático via legalista de descriminalização. Dessa forma, acresce-se tal conciliação e a condenação do aborto persiste intrinsecamente enraizada, sendo imprescindível medidas que revertam tal conjuntura. [6]

Ademais, vale ressaltar que a temática é corroborada por fatores políticos-estruturais. Nessa perspectiva, trinta anos depois da Constituição de 1988, a descriminalização [7] do aborto não diminuiu sua prática. Especialistas da Universidade de Brasília indicam que uma em cada cinco mulheres brasileiras terá realizado o aborto até os 40 anos. Entretanto, embora haja continuidade do exercício, o desenvolvimento de condições adequadas às mulheres não existe, sendo estas submetidas a riscos de morte e de infecção. Dessa forma, depreende-se que, apesar das condições insalubres, a prática persistir [9], e a sua descriminalização apenas há de garantir a qualidade obstetrícia. [8]

Torna-se imperativo, por conseguinte, que cátedras universitárias, junto às especialistas, busquem apoio da população através de debates, seminários e palestras em colégios e universidades, desmistificando preconceitos sobre o tema e informando as consequências, dentro da visão irrestrita da sociologia, de saúde pública às mulheres. Outrossim, é fundamental que corporações feministas, junto a órgãos de saúde, médicos e advogados,  reivindiquem e pressionem o Supremo Tribunal Federal, sob via legal de descriminalização, acompanhado de liberação de clínicas e concessões aos profissionais da saúde. Apenas sob tal conciliação haver-se-á a plena garantia dos direitos das mulheres e a formalização de uma estrutura ideal ao desenvolvimento gestativo. [10]

Avaliação por competência:

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta:

[1] Neste parágrafo, o aluno foi alertado quanto ao recuo de parágrafo insuficiente e instruído a dar espaço depois das vírgulas.

[2] Tirar a crase.

[3] O correto é “o”, não “ao”.

[4] Poucos erros de norma culta na introdução.

[7] O correto é “criminalização”. A CRFB criminaliza o aborto, assim como o CP.

[9] O correto é “persiste”.

Competência II – Compreender a Proposta:

[5] Boa introdução.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

[6] Ótima progressão de ideias.

[8] Excelente argumentação.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

[11] Conectivos diversificados ao longo do texto.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

[10] Excelente conclusão.

Nota: 960

Gostou? Veja o tema de redação e escreva a sua também! 😀

Vamos debater sobre?