A eficiência da política antidrogas brasileira

Envie sua redação para correção
    É incontrovertível que as drogas na atual situação do Brasil tornou-se constante. Haja vista a situação brasileira, mediante aos altos índices de consumo de drogas ilegalmente, o que para o Estado, a política antidrogas fez-se eficiente. Entretanto, a superlotação de presídios, a segurança pública e a falta de investimentos, são apenas alguns fatores que trazem consequências para a sociedade brasileira. 
     Antes de tudo, é necessário ressaltar que de acordo com Friedrich Schiller "A violência é sempre terrível, mesmo quando a causa é justa". Tal analogia, pode-se referir ao Estado, que mesmo inserindo o Departamento de Investigação sobre Narcóticos, com policiais civis preparados para o combate às drogas, infelizmente, termina com a violência, fato da atual situação brasileira, com mortes e repressões. Por conseguinte, a segurança no Brasil fica inválida, uma vez que através dos tiroteios, brigas, escoltamentos e entre outros, poderá afetar alguma vítima. Eis a razão do consentimento do Estado para tratar o assunto com mais ênfase e não apenas omitir ou influenciar a sociedade por intermédio dos setores midiáticos.
     Somando a isso, têm-se o fato que, de acordo com o Levantamento Nacional de Informações Penitenciarias (INFOPEM), os presídios brasileiros possuem mais de 600 milhões de presos, uma vez que o número de vagas é inferior, cerca de 300 milhões. Sob este viés, a superlotação carcerária é percussora de altos índices de traficantes de drogas, por isso, devido ao número de crianças e jovens fora das salas de aulas ou a falta de empregos qualificados, a procura ao tráfico de drogas os influência a serem liderados pelos chefes de facções que estão dentro desses carceres e oferecem uma "vida melhor". Em consequência disso, não há dúvidas que isso ocorre devido à falta de investimento público na economia e educação, nota-se, portanto, que o tráfico no contexto brasileiro é comum em qualquer idade.
     Mediante aos fatos elencados, percebe-se que não há eficiência na política antidrogas no Brasil. Destarte, o Ministério da Saúde, em parceria com a Defensoria Pública orientará os jovens e os pais, através de discussões na escolas públicas e privadas acerca dos tráfico de droga, a fim de mostrar as consequências no âmbito social e econômico. Paralelamente, cabe à mídia televisiva ao invés de influenciar a população no combate às drogas, sob respaldo da apresentação de depoimentos, a fim de mostrar a percussão do uso de drogas na sociedade brasileira. Pois, dito fora por Leo Buscaglia " Veja os problemas como pequenos milagres que podem trazer-lhe sabedoria e mudança".