A eficiência da política antidrogas brasileira

Envie sua redação para correção
    Falha no auxílio 
          As drogas no Brasil tem sido um problema muito presente. Isso ocasiona no país diversos conflitos, entre eles o tráfico e a dependência química das drogas. Nessa perspectiva, dois aspectos fazem-se presentes: o despreparo do poder público no auxilio aos usuários e a ineficácia no combate ao tráfico.
            Segundo John Locke, filósofo empirista do século XVII, o governo deve garantir aos indivíduos seus direitos naturais, como o direito à vida. O pensamento de John Locke enfatiza o papel do governo em auxiliar e amparar o cidadão que se encontra nas drogas, proporcionando-o e o encaminhando de volta à sociedade. Mesmo que hoje em dia no Brasil exista políticas que prevê clínicas e instituições que busquem auxiliar dependentes químicos, a quantidade existente não é suficiente, visto que em diversos pontos ao longo das cidades brasileiras, encontra-se adultos e adolescentes abandonados nas drogas.
          O tráfico de drogas é a base do problema de drogas no Brasil. Esse tipo de comércio, extremamente lucrativo, ocasiona diversos problemas sociais, como a violência. A diminuição do tráfico internacional ligado ao Brasil, proporcionaria ao Estado maior controle do tráfico interno no país.
          Portanto, levando em vista o pensamento de John Locke, no qual o Estado é o provedor dos direitos naturais dos indivíduos, como a vida e a segurança, faz-se duas medidas a fim da diminuição das drogas no Brasil, sendo elas: o maior auxilio aos usuários de drogas e o combate ao tráfico. O auxilio que deve ser prestado ao usuário é em relação à conscientização do prejuízo à saúde que o indivíduo proporciona a si mesmo, através de eventos e projetos sociais, caso obtido o resultado esperado, o governo deve oferecer ao cidadão a reinserção social, proporcionando-o, emprego, moradia e saúde. O poder legislativo deve atuar na criação de leis mais rígidas ao combate do tráfico, com a diminuição da maioridade penal a "pequenos traficantes" e o aumento no tempo de reclusão.