Tabagismo no século XXI: problemas e consequências

Envie sua redação para correção
    Desde o século XX, foram causados 100 milhões de mortes pelo tabagismo, segundo dados da OMS. Entretanto, esse fato histórico mostra que no século XXI essa problemática tende a agravar-se ainda mais, pois o tabaco contém uma substância chamada nicotina que torna o usuário viciado. Tal realidade mostra que dentre todos os problemas ambientais este é o mais vil e problemático.
           Entre os diversos fatores ambientais do século o tabagismo representa o mais ameaçador e causador de doenças cerebrais, pulmonares e cardiovasculares. Estima-se que dentre 1,3 bilhão de fumantes 650 milhões podem morrer prematuramente por causa do cigarro, acarretando também diversos problemas doentios para seu corpo físico e emocional. Isto é, a relação entre o tabaco e saúde é conhecida de forma geral pelas pessoas, porém o vício é de tal forma elevado levando as pessoas à sofrerem com as consequências nocivas a sua saúde
          Além disso, as doenças ocasionadas pelo consumo do tabaco matam cerca de 4,9 milhões de pessoas por ano. Em 1992 folhas secas de tabaco foram oferecidas ao Cristóvão Colombo pelos índios americanos. esse fato histórico mostra que o tabaco já era produzido e oferecido as pessoas. No entanto, o tabaco antigamente era usado como proposta curativa, sendo ele mascado. Na atual realidade social, 80 a 90% dos casos é por cancro do pulmão ou bronquite crônica, mostrando que o tabaco já não é mais usado de forma "correta'' pelos usuários.
          Dessa maneira, o tabagismo no século XXI mostra-se o causador de grande parte das mortes ao redor do mundo, devido a presença de uma substância chamada nicotina, os quais precisam ser repensados. Inicialmente, é preciso que a mídia mostre aos telespectadores, através de campanhas publicitárias, o quão a nicotina está presente em grande parte das drogas, mostrando sua devida dependência nociva ao ser humano, para que crie uma perspectiva diferente promovendo a minimização de seu uso excessivo, que já não é mais usado como propostas curativas.