A educação como solução ressocialização de detentos: utopia ou realidade?

Envie sua redação para correção
    Nick Yarris passou 23 anos em confinamento solitário por um crime que não cometeu em um prisão nos Estados Unidos. Durante esses anos, a compaixão de um carcereiro que o doou livros e o ajudou a ler, foi o que ajudou ele a ser uma pessoa melhor. Hoje Nick dá palestras sobre como a leitura foi positiva em sua vida. Diante deste relato, fica evidente que a educação dos presos é muito importante para sua ressocialização.
       A educação é um direito da população carcerário no Brasil, segundo a Lei 12.245 no entanto, o acesso a educação é uma realidade para poucos em nosso país. Esta situação tem raízes na falta de estrutura dos presídios, que  na maioria contam com superlotação, falta de higiene e saúde  para os detentos, logo, é notável que a educação é deixada de lado mesmo possuindo uma lei sobre direito a educação. Segundo o dados do Depen de 2012, dos 533.027 presidiários apenas 54 mil frequentam salas de aula e 2,6% tem acesso a cursos técnicos.
      Além disso, a ausência de fiscalização das leis e mitos sobre o desinteresse dos pressos pelo estudo contribuem para a realidade vivida pelo país. Sem dúvida, existe um grande preconceito sobre os presos e sua volta a liberdade, isso é visto com clareza no mercado de trabalho, onde os ex-detentos tem muita dificuldade para conseguir um emprego aliado a sua falta de escolaridade e preparo técnico. Ademais a falta de cumprimento das leis é frequente, segundo o Depen o Estado do Amapá não tem nenhum detento estudando e o Estado do São Paulo possui apenas 7,9% estudando.
      Assim sendo, o educação para ressocialização ainda é uma utopia no Brasil, porém algumas medidas podem caminhar em direção a realidade. Uma medida é uma cobrança intensa por parte do Poder Judiciário para o cumprimento das leis nos estados brasileiros com mais campanhas de fiscalização e prazos para cumprimentos. Ademais, implantar com parcerias entre cursos técnicos e governo, ensino de profissões aliado a práticas de trabalhos comunitários que visem o trabalho em equipe.