Envie sua redação para correção
    Dona Benta, Emília, Narizinho, Cuca, Saci Pererê. O enredo e os personagens da história de Monteiro Lobato estão cercados por elementos da cultura popular – da gastronomia aos trejeitos dos personagens. A cultura popular, composta pelo conjunto de costumes, crenças e valores de um povo, é fundamental para a construção e transmissão de sua história. Nesse sentido, o folclore, a culinária e a religião carregam importantes traços do miscigenado povo brasileiro.
        A priori, através da cultura popular é possível ter registros dos pensamentos e valores dos diversos grupos ancestrais que compuseram o Brasil. O mito, a mais primitiva forma de explicar a natureza, reflete os pensamentos e medos do povo que o conta. O conto folclórico do Curupira – menino com cabelo em chamas que protegia a mata e os animais selvagens, por exemplo, expressa o temor, bem como a crença indígena quanto à natureza e o avanço do colonizador. Portanto, por meio de histórias, danças e cantigas, a cultura popular transmite e valoriza as diversas visões que, juntas, formam a história brasileira caracterizando o Brasil em período de modernização.
         Além disso, a cultura popular é a base para a formação da identidade nacional. Tendo em vista que a identidade de um povo é composta por seus hábitos e por produções passadas e atuais, a cultura popular é essencial neste processo por disseminar as criações dos grupos que compõem o miscigenado povo brasileiro. Com receio de uma suposta revolução social, promovida pela cultura popular, a burguesia direcionou sua atenção para a criação artística do povo marginalizado socialmente pelo mundo moderno, capitalista e urbano. Em relação ao Brasil, do século XIX, o folclore e a cultura popular despertaram a atenção dos estudiosos não somente pelo fato de desvendar a “gênesis” da cultura popular em sua íntegra, mas para ajudar a construir a identidade nacional.
       Em suma, o papel da cultura popular deve ser valorizado e ampliado. Para isso, o Estado deve fornecer incentivos fiscais às publicações sobre a cultura popular, de modo a impulsionar o ensino e o estudo desses elementos culturais. Ademais, a mídia pode divulgar minisséries sobre os aspectos culturais e suas origens em cada grupo étnico com o intuito de contribuir de forma positiva para a valorização da cultura brasileira, contemplando a sociedade para a importância do folclore, da gastronomia, das festas e dos ritos na construção da história e do povo brasileiro. Concomitantemente, é fundamental o papel da escola de pregar a tolerância, já que, segundo Immanuel Kant, "o homem é aquilo que a educação faz dele". Portanto, a escola deve promover palestras sobre a importância da cultura prestigiada na sociedade brasileira, a fim de tornar os jovens mais informativos em escala global no país.