A importância da cultura popular na construção e na valorização da história brasileira

Envie sua redação para correção
    A História de uma Cultura Estoriada
                      A cultura é uma das características essenciais intrínsecas a uma nação. O Brasil é um país que teve, em sua origem, uma miscigenação étnica e consequentemente social e cultural. Embora a popularidade represente a maior parcela da população, esta tem sido marginalizada desde o século XVI, época em que a história brasileira começou a ser tecida por uma cultura rica, embora desvalorizada.
                   O patrimônio cultural tem um caráter elitista, tanto no que se refere ao emissor quanto ao que se refere ao receptor. Desde que o Romantismo começou a ser utilizado no Brasil durante o fim do período colonial, os elementos culturais tendenciou a manipular a história para fins de convencimento da supremacia europeia, o maior exemplo se encontra na representação premeditada e etnocêntrica explicitada sobre os nativos da terra, que eram definidos como seres inferiores, incivilizados, ultrapassados e dignos de serem "salvos", não só pela religião, como também pelo altíssimo "conhecimento medicinal". Eis a exclusão cultural.                     Por outro lado, se até na época o país não tinha uma concepção de nacionalidade, posteriormente o incentivo à valorização da cultura nacional se dispersou pela fragmentação e repressão ocorrida ao decorrer dos séculos decorrentes. Os escritores nacionalistas, como Castro Alves - que defendia os escravizados - trataram de formar uma primeira identidade brasileira, todavia a forte influência de escritores advindos das Universidades Portuguesas e catequeses, inibiu por décadas a grande importância da cultura do povo para a interpretação da própria história e formação da nação: afro-brasileira, indígena e europeia. 
             Em virtude dos fatos mencionados, fica claro que há uma necessidade de reconhecer e atribuir a atenção necessária a elementos despercebidos, porém que guardam em si importância história. O Ministério da Educação deve fomentar discussões em sala de aula para que haja perspectivas reais para mudança de pensamento, num longo prazo.