Envie sua redação para correção
    No Brasil, a expressão que se refere ao movimento feminista pode ser definida como uma evolução política, filosófica e social que defende a igualdade de direitos entre mulheres e homens. Em nossos dias, pode-se dizer que tal situação gerou enormes progressões que envolvem a maior parte da sociedade. Sob esse aspecto, convém analisamos sobre a problemática na comunidade. 
     Em primeiro plano, vale ressaltar que segundo Simone de Beauvoir, filósofa existencialista, é pelo trabalho que a mulher vai diminuir a distância que a separa do homem, pois somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta. De forma análoga, suas palavras remetem, em nossos dias, sobre a importância que os movimentos em prol da luta feminina obtiveram para que possamos chegar aos direitos civis e sociais que temos atualmente. Desse modo, é inadmissível que em um Estado Democrático de Direito, ainda haja discrepâncias em relação à equidade entre homens e mulheres. 
     Além disso, é notório que a lei Maria da Penha foi o marco recente mais importante na história das lutas femininas brasileiras e representa a batalha e o poder que habita o interior das mulheres numa manifestação do sentimento em favor da vida, igualdade e justiça. À título de exemplo, dados do G1, site de notícias confirmaram que em 2017 cerca de 13 mulheres morreram todos os dias vítimas de feminicídio, isto é, assassinatos em função de seu gênero, dado assustador e alarmante, que confirma o quão se faz fundamental a luta diária pelos direitos das mulheres no Brasil e ao redor do mundo, a fim de se erradicar situações como essas. 
     Fica evidente, portanto, que o governo deve propor medidas que auxiliem as todas mulheres, por meio de ações afirmativas, com a ajuda de ONG’s, grupos de apoio e meios de comunicação, através de campanhas conscientizadoras e palestras, no intuito de encaminhá-los a melhores condições de vida para que, progressivamente, possam viver todas de forma digna, justa e igualitária. Espera-se, com isso, que os ideais da escritora feminista sirvam como aprendizado, podendo ser incorporados ao dia a dia da sociedade, com o objetivo de equiparar as desigualdades entre os gêneros.