A importância do movimento feminista na luta pelos direitos das mulheres

Envie sua redação para correção
    Desde o fim da segunda guerra mundial, as mulheres passaram a ser mais ativas nas lutas pelos seus direitos. Diante disso, inúmeras conquistas foram alcançadas tanto no Brasil quanto em várias partes do mundo, tal como a inserção no mercado de trabalho. No entanto, quando se refere à igualdade de gênero, esta não foi conquistada seja pelo o histórico-cultural, seja pelo o lento progresso na mentalidade social. 
       Nesse contexto, conforme a concepção de Durkheim, o fato social é a maneira coletiva de agir e pensar, ao olhar por esse ângulo, a problemática continuará inercial em prol de manter a estrutura patriarcal. Destarte, a estrutura social vigente é resultado tanto do patriarcalismo, no qual ainda defende a supremacia do homem dentro da sociedade quanto do lento progresso na mentalidade social. Diante disso, além de ser motivado pelo histórico-cultural, as disparidades são também mantidas pelo senso comum, cujo não há nenhum método racional envolvido para com a temática. Dessarte, com a estrutura política formada majoritariamente por homens, no qual pouco fazem pela igualdade de gênero, a mudança ou, ao menos, a petição desta só pode ser feita a partir de um grupo que pressione o sistema, sendo esse ativismo conhecido como o movimento feminista. 
       Além disso, faz-se necessário salientar que as disparidades entre gêneros somente foram subtraídas devido à pressão desse grupo em diversos lugares do mundo, tal como aconteceu, na Arábia Saudita, no século XXI, no qual as mulheres foram permitidas de dirigir após vários anos de tentativas. Dessarte, embora as conquistas estejam cada vez mais evidentes, ainda há muito o que se fazer como a isonomia salarial, desde que a mulher ganha menos de 30% do que o homem na mesma função, mesmo se ela for mais apta para desempenhar a função. 
       Portanto, reconhecer o movimento feminista, em prol da igualdade de gênero, faz-se necessário.. Urge, então, a ação conjunta e cooperativa entre instituições capazes de inferir nos valores dos indivíduos por meio de métodos racionais, a fim de conquistar a igualdade de gênero, como núcleo familiares, ambientes escolares e setores estatais empenhados na imprensa. Isso pode ser viabilizado a partir de frequentes debates no ambiente familiar, palestras, documentários e campanhas de conscientização governamentais em mídias de amplo alcance, valorizando, sobretudo, erradicar as disparidades de gênero.