Envie sua redação para correção
    A guerra do ópio foi um conflito ocorrido entre a China e a Inglaterra , A china buscava evitar o comercio britânico de ópio que escravizava a população como um todo na dependência química e arruinava o pais como um todo economicamente e socialmente.Por conseguinte as drogas assolam a sociedade brasileira atual,por sua vez escraviza a mente do cidadão e o torna incapaz de discernir entre o certo e o errado. 
    
      Embora, pareça que o viciado em drogas afete apenas a si mesmo tem de se ter uma visão ampla da situação , a sociedade como um todo é afetada como ocorrido na guerra anglo-chinesa.O viciado compra drogas com o traficante o que financia a violência,este fato gera o conflito anti drogas que faz mais vitimas e por sua vez quando a dependência se torna brutal a tendencia é o individuo não conseguir mais trabalhar gerando prejuízo econômico a união , tendo por fim que roubar para sustentar o vicio gerando por sua vez um índice crescente de crimes.
      A internação compulsória é algo complexo,além de "amargo" para uma sociedade livre e democrática como a brasileira , contudo é necessária desde que baseada na constituição e na legalidade como um todo .A internação deve ser compulsória com maior frequência e por mais tempo de modo que,possamos evitar locais como a "cracolândia" ou a destruição de famílias.Não obstante a população deve cobrar dos políticos a implementação de centros de tratamento,pois a internação forçada é um ato ético e de preservação a vida.
      Em suma a intervenção é algo necessário para manter a sociedade estável e sadia.O modo de fazer a intervenção deve ser incisivo, o Ministério da Saúde deve com verba da união criar centros de intervenção e tratamento por todo o brasil,por sua vez estes centros seriam ocupados por médicos locais e cuidadores criando empregos na região,além disso nestes centros haveriam reuniões periódicas com os lideres da comunidade ou de bairro para identificar os usuários e desta forma com a ajuda da família e autoridades intervir na vida do dependente químico.