A mobilidade urbana no Brasil

Envie sua redação para correção
    Juscelino Kubitschek, durante o seu governo influenciado pela indústria automobilística, construiu estradas e motivou o uso de veículos pela população. Dessa forma, as fabricas de carros participaram de maneira ativa na urbanização das cidades, além de terem grande responsabilidade pelo alto número de veículos que circulam no Brasil. Inegavelmente, o consumismo humano e a falta de estrutura do país com o transporte público, causaram o atual caos da mobilidade urbana, portanto, esse transtorno não pode ser negligenciado.
           De certo, o consumismo levou o Brasil a possuir um grande número de veículos circulando pelas estradas, um para cada quatro habitantes, segundo o Departamento Nacional de Transporte, em 2017. Porém, a péssima qualidade do transporte público brasileiro, com problemas como superlotação, péssima estrutura e o aumento constante das tarifas de serviço, estimulam a população a comprar automóveis. Desse modo, o poder público tem papel principal no transtorno crescente da locomobilidade urbana.
           Sabe-se também, que São Paulo é a maior cidade brasileira e uma das mais populosas do mundo. Logo, segundo pesquisa divulgada pelo Ibope, em 2016, os paulistanos passam 45 dias por ano parados no trânsito. Dessa forma, essa situação prejudica o meio ambiente devido as emissões de gases feita pelos veículos na metrópole paulista. Isto posto, segundo publicação de 2017 do site Estadão, respirar por 2 horas no trafego paulistano equivale a fumar um cigarro.
           Diante do exposto, medidas são necessárias para sanar a problemática. Primordialmente, cabe ao Estado, realizar ajustes para a melhoria do transporte público brasileiro, como exemplo, promover segurança, pontualidade, conforto e diminuição dos preços das passagens, motivando assim, a população utilizar o transporte coletivo. Ademais, as Prefeituras podem instituir rodízios do uso de veículos, diminuindo assim, o número de automóveis nas ruas. Além disso, alternativas sustentáveis como disponibilização de bicicletas e patinetes nas ruas, afim de estimular o uso pela população promovendo a diminuição na emissão de gases poluentes. Em suma, a junção dessas medidas é de extrema importância para solucionar a adversidade do deslocamento urbano.