A mobilidade urbana no Brasil

Envie sua redação para correção
    Ter facilidade em se movimentar pelas ruas das cidades, sem se preocupar com fatores que possam dificultar essa ação, parece ser uma ideia simples e comum, em teoria, para os cidadãos brasileiros. Contudo, esse tipo de pensamento, posto em prática no dia-a-dia das ruas metropolitanas, tem se revelado ser uma fator de alto risco para a qualidade de vida humana e ambiental. 
      O índice de aumento, na taxa de crescimento populacional, tem ganhado a atenção dos pesquisadores, quando se diz respeito, à mobilidade do povo brasileiro. Cada vez mais, os cidadãos sentem a necessidade de ganhar maior autonomia na hora do seu deslocamento. O que eles não sabem, é que quanto mais indivíduos procuram esse tipo de liberdade para se mover, na compra de carros e outros meios de transportes individuais, menor irá ser a facilidade para chegar ao seu destino.
      Ford quando criou os primeiros carros padronizados, com a intenção de facilitar a vida dos burgueses, não imaginava a dimensão do impacto negativo que essa invenção teria para o meio ambiente e para a saúde das pessoas. Graças aos gases tóxicos expelidos pelas substâncias que movem esses automóveis, danos irreversíveis à natureza, como o aquecimento global e a poluição dos ares, vem diminuindo a qualidade da vida na terra. 
     Conscientizar a população de que recorrer a meios de transportes coletivos e escolher medidas mais sustentáveis na hora de se mover, não só irá melhorar a qualidade de locomoção, como também, estará diminuindo o impacto negativo que essas ações causam à natureza, e a própria saúde.