A mobilidade urbana no Brasil

Envie sua redação para correção
    Apesar da Constituição Federal garantir o direito de ir e vir ao cidadão, no Brasil, essa prerrogativa torna-se cada vez mais utópica. Tal conjuntura é reflexo da exiguidade de planejamento urbano, bem como a prioridade que foi destinada ao rodoviarismo desde o século xx, projeto implantado pelo governo de Juscelino Kubitschek.                                                                     Em primeira análise, à histórica concentração de terras nas "mãos" de uma minoria, é causa da crescente migração dos indivíduos para as cidades, em busca de moradia e emprego. Desse modo, o acelerado processo de êxodo rural não vinculado a um projeto eficaz de mobilidade urbana, trouxe dificuldades para locomoção, como constantes engarrafamentos e consequente má qualidade de vida populacional. Outrossim, tais fatores aumentam os casos de acidentes no trânsito, haja vista o grande número de veículos em circulação.                                            Em segunda análise, à política proposta por Juscelino gerou dependência das pessoas aos automóveis, visto que ele pretendia desenvolver o país através desse meio de transporte. Essa submissão tornou os serviços rodoviários caros e de baixa qualidade, motivo das frequentes manifestações populares, como a "manifestação dos 20 centavos" em 2013, objetivada pelo aumento da passagem de ônibus. Nesse sentido, depreende-se que tal problemática vai além dos parâmetros númericos, mas sim, históricos.                                                                                           Diante das dificuldades em relação à mobilidade no Brasil, faz-se necessário adotar um projeto que vise reorganizar o espaço urbano, atendendo as necessidades da população de forma eficaz, papel do Ministério da Infraestrutura. Além disso, deve haver melhorias de outros modais, como metrôs e trens. Esses transportes devem percorrer outras rotas que abranjam uma área maior, e investimento na sua infraestrutura. Dessa forma, o ideal presente na constituição será efetivado plenamente, bem como promoverá desenvolvimento idealizado pelo político.