Envie sua redação para correção
    O deslocamento de pessoas entre regiões e cidades é um fenômeno antigo, amplo e complexo. Os motivos que levam a esse deslocamento são diversos e produzem desdobramentos. Destaca-se o inchaço da população, acarretando a falta de mobilidade urbana, pois, com o aumento da população e as novas politicas de concessão de créditos e redução dos impostos sobre os veículos houve um aumento dos mesmos nas cidades. 
     De acordo com o Observatório das Metrópoles, a frota de veículos nas metrópoles brasileiras dobrou nos últimos dez anos, com um crescimento médio de 77%. Os motivos que contribuíram para esse crescimento foram principalmente: a má qualidade do transporte público no Brasil, e toda a politica de mobilidade urbana, que tem em foco os automóveis. Esse número exacerbado de veículos vem causando muitos problemas, entre eles, o estresse dos motoristas que perdem horas em congestionamentos e acabam não chegando aos horários corretos em seus compromissos.
     Outro ponto a respeito desse grande número de veículos são os problemas ambientais, pois a contínua emissão de gases nocivos na atmosfera coloca em risco a saúde pública, bem como é um fator agravante para o efeito estufa e a intensificação das ilhas de calor. As doenças cardiorrespiratórias e o câncer de pulmão estão afetando cada vez mais a população dessas grandes metrópoles, e dificultando ainda mais a situação de portadores de doenças respiratórias.
    Em virtude dos fatos mencionados, devem-se obter formas de conscientizar a população no tocante a esses problemas de mobilidade urbana. Fazem-se necessárias campanhas de Ong’s do meio ambiente nas empresas e nas ruas, com o objetivo de diminuir o uso de veículos pessoais e incentivar a utilização dos transportes coletivos. Para isso, tem-se a necessidade de parcerias publico-privadas, por exemplo, o ministério do transporte e empresas que prestam serviços com transportes coletivos, para que possam atender a todas as necessidades e trazer melhorias, como ar condicionado, e mais ônibus nas linhas para os horários de pico, incentivando que mais pessoas possam utilizá-los e diminua a frota de veículos privados nas cidades.
    Ademais, tem-se a indispensabilidade da criação de áreas verdes por empresas e condomínios que tenham uma cobertura, promovendo um incentivo fiscal para as mesmas, ocasionando a maior retirada do CO2 da atmosfera, conduzindo a uma melhora nos ambientes que já estão muito poluídos pela emissão deste, e de outros gases gerados pela queima de combustíveis.