A mobilidade urbana no Brasil

Envie sua redação para correção
    De acordo co o princípio da impenetrabilidade, comprovado pelas leis do físico Isaac Newton, dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo. Partindo dessa premissa, nota-se o estado alarmante em que o Brasil se encontra, pois, o número de carros cresce exponencialmente no país, desafiando as leis da física e deixando a mobilidade urbana altamente insatisfatória. Nesse sentido, deve-se observar como o "status" social que o carro proporciona  e o sucateamento do transporte público contribuem para o problema e como resolvê-lo.
        É preciso analisar, antes de tudo, como a política do rodoviarismo corrobora para a problemática. No ano de 1950, o então presidente Juscelino Kubischek implementou medidas para a industrialização brasileira, dando destaque ao setor automobilístico, tornando os automóveis, antes artigos de luxo, mais acessíveis a população. Hodiernamente, o carro ainda é sinônimo de poder financeiro, e por isso o número destes nas ruas não para de subir , e traz como consequências : engarrafamentos, poluição das cidades, estresse dos motoristas , dentre outros.
        Ademais, o insatisfatório sistema de transporte público também influi nessa questão. Isso porque, há  inúmeras falhas nesse sistema , como por exemplo - número insuficiente de trens e metrôs, ônibus em péssimas condições e sempre lotados, passagens com preços absurdos - tais imperfeições fazem com que a maioria da população opte por transportes individuais. Segundo um estudo da Associação Nacional de Transportes Urbanos, cerca de 38% dos brasileiros deixaram de usar os ônibus e passaram a se locomover usando carros , reafirmando a tese de que a deficiência do trasporte público deve ser resolvida visto que é uma das principais corroboradoras para o problema da mobilidade urbana.
        Fica claro, portanto, a necessidade de resolver a questão da mobilidade urbana no Brasil. Para isso, é preciso que o Governo Federal em parceria com a Mídia desconstrua, por meio de comerciais e ficções engajadas, o "status" que o carro desenvolveu e estimule a população a preferir transportes alternativos como bicicletas e carros compartilhados. Ademais, o Ministério da Infraestrutura deve criar medidas para melhorar o transporte público , ou seja, disponibilizar mais ônibus de qualidade, construir mais linhas de trem e metrôs e diminuir o preço das passagens. Só assim, o problema poderá ser resolvido.