Envie sua redação para correção
    Segundo o filósofo inglês John Locke, é dever do Estado garantir os direitos inalienáveis do cidadão, tais como a vida, a liberdade e a propriedade privada. Destarte, é perceptível que a mobilidade urbana enfrenta grandes empecilhos no Brasil, devido à falta de planejamento urbano e ao intenso processo de urbanização, gerando caos e violência no trânsito das cidades metropolitanas, o que contraria diretamente a premissa lockeana. Nessa lógica, é impreterível a necessidade de uma intervenção governamental com o fito de mitigar os desafios enfrentados na busca pela mobilidade. 
           A priori, é imperioso ressaltar que é compreensível que o brasileiro deve contribuir para a fluidez da sociedade, o que não é visto em relação ao problema supracitado, desde que segundo o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) existe 1 carro para cada 4 pessoas no Brasil, algo alarmante para o cenário hodierno. 
          Cabe mencionar, ainda, que as pessoas estão utilizando mais transportes individuais do que os em massa, devido às más condições que encontram-se os transportes ou por falta dos mesmos, o que acaba culminando o inchaço das ruas. Por conseguinte, houve um aumento de casos de acidentes no trânsito, formação de ilhas de calor e indivíduos estão sofrendo com a demora para chegar ao destino pretendido. 
           Em suma, faz-se imprescíndivel a premência de medidas para combater o problema aludido. Para isso, concerne ao Governo Federal em parceria com empresas privadas, busque criar um projeto que incentive o uso de veículos coletivos, por intermédio da criação de aplicativos que mostrem em tempo real as rotas rodoviárias e metroviárias, com dados e estatísticas de tempo, lotação e velocidade, visando facilitar a utilização do transporte público e também novos investimentos para que haja incentivo da população em utilizar os transportes em massa. Ademais, embasado no pensamento do pedagogo Paulo Freire, a educação transforma o mundo, desse modo, é inteligível que o Ministério da Educação deve promover uma campanha de conscientização, por intermédio de palestras e aulas didáticas sobre a importância do transporte coletivo, buscando, assim, melhorar a mobilidade dos grandes centros urbanos e garantir a harmonia social.