Envie sua redação para correção
    Em 2013 centenas de jovens foram as ruas reivindicar seus direitos civis e cobrar melhorias sociais dentre elas,a questão do transporte público.Atualmente no entanto,ao contrario do que se espera de um país democrático no qual o direito de ir e vir é previsto na constituição,o que se percebe e o não cumprimento efetivo desse direito,majoritariamente em grandes centros urbanos,principalmente por conta da falha e ineficácia de de politicas publicas.
     Primeiramente,vale ressaltar que se trata de um problema de base histórica.Sob essa óptica a frase do pensador Jurgem Habbermas, a sociedade é dependente das criticas as suas próprias tradições remete a tal situação visto que,a politica de rodoviarismo implantada no governo de Juscelino Kubitschek exerce ainda grande impacto na atualidade.Nesse sentido,a omissão do governo quanto a investimentos necessários em outros modais provocam a grande concentração rodoviária. Algo muito problemático visto que,não somente gera a lentidão das vias,assim como gera uma maior poluição sonora e do ar com a liberação de CO2.
     Ademais,vale ressaltar que a insatisfação com a qualidade dos transportes públicos exerce grande influência sob tal realidade.Sob esse ponto de vista, a superlotação,a má qualidade e o alto preço são fatores que levam uma parcela cada vez maior da população a optar pela compra de um veículo particular.Não só isso,bem como a iniciativa do governo em criar os rodízios por sua vez,levou muitos brasileiros a adiquirirem de mais um carro.Tais fatores em conjunto acarretam o aumento da frota assim como, aumenta o tempo gasto no trânsito e o índice de estresse dessa população.
     A má qualidade da mobilidade urbana e portanto,um problema de base histórica atenuado pela falta de políticas públicas.Em primeira instância, cabe ao Ministério do Transporte,por meio de investimentos nos transportes públicos,aumentar o número,bem como a qualidade dos transportes coletivos visando a maior adesão popular e dessa forma, reduzir gradualmente a frota circulante e a lentidão do trânsito urbano.