A mobilidade urbana no Brasil

Envie sua redação para correção
    Após o segundo governo Vargas a urbanização brasileira se deu de forma rápida e desordenada, sem qualquer planejamento que comportasse o crescimento urbano. Posteriormente, durante o governo JK, o investimento no setor automobilístico levou a expansão do número de veículos circulantes. Como consequência desses fatores, as cidades brasileiras enfrentam um grave problema: a mobilidade urbana, que tem suas raízes, principalmente, na falta de infraestrutura adequada nos centros urbanos e que tem gerado sérios danos à população e ao meio ambiente.
      É importante pontuar de início que o principal fator para o problema da mobilidade urbana no país é a infraestrutura das cidades que não é capaz de suprir as demandas de movimentação populacional. Isso porque, em grande parte dos meios urbanos não há outras opções para o deslocamento senão as rodovias, culminando em uma grande quantidade de automóveis em circulação. Além disso, a precariedade e o alto custo dos transportes coletivos são outro impasse ao melhoramento da mobilidade urbana, já que, por consequência disso, cresce a preferência por veículos particulares nas cidades brasileiras.
      Em decorrência disso, observa-se diversos problemas relacionados a mobilidade no país. Em primeiro plano, pode se destacar que, devido ao aumento de veículos em circulação, o congestionamento no trânsito tem sido cada vez mais frequente, causando um maior tempo no deslocamento e, por conseguinte, problemas emocionais na população brasileira, como estresse e irritabilidade. Ademais, o crescente número de automóveis circulantes tem gerado também problemas ao  meio ambiente devido a emissão de gases poluentes, que contribuem para o agravamento do efeito estufa.
      Frente ao exposto, fica evidente a necessidade da resolução da problemática da mobilidade urbana no país. Para isso, é imprescindível que os governos municipais, por meio de um planejamento adequado e maior destinação de verbas, invista  na criação de ciclovias nas cidades, a fim de oferecer um meio de deslocamento alternativo e diminuir o congestionamento. Além disso, devem investir na melhoria e barateamento de transportes coletivos, para que estes sejam utilizados como primeira opção de locomoção, solucionando, assim, o principal problema dos centros urbanos.