A necessidade de debater as doenças mentais

Envie sua redação para correção
    Sabe-se que, por muito tempo, as doenças mentais foram consideradas sinal de bruxaria, de influência do demônio. Nos dias atuais, com todos os avanços ocorridos, é evidente que tais transtornos, ainda que abrangentes, têm explicações científicas. Entretanto, apesar da grande incidência dessas patologias em todo o mundo, denota-se, no Brasil, a falta de debate a respeito do assunto, tornando difícil o diagnóstico e consequentemente, o tratamento.
    
    Em primeiro plano, é válido destacar que discutir naturalmente a respeito de determinado assunto torna mais fácil para quem sofre de distúrbios procurar ajuda. Nota-se na sociedade brasileira grande indiferença em relação ao próximo, uma sociedade cada vez mais individualista e disposta a julgar sempre que possível. Sendo assim, além da dificuldade de lidar com as doenças mentais, aqueles que delas sofrem ainda se vêem obrigados a esconder isso a fim de não se tornar alvo de julgamentos.
    
    De acordo com Durkheim, o fato social é uma maneira e agir e pensar dotada de exterioridade, generalidade e coercitividade. Seguindo essa linha de pensamento, observa-se que o posicionamento de sequer cogitar debater tal assunto, como se tivesse aversão a ele, pode ser encaixado na teoria do sociólogo, uma vez que, se uma criança vive em uma família com esse comportamento, tende a adotá-lo também por conta da vivência em grupo. Assim, a falta de discussão a respeito de tais patologias é mantido de geração a geração, agravando o problema no Brasil.
    
    Entende-se, portanto, que é urgente a necessidade do debate sobre as doenças mentais. Evidencia-se também que a ausência deste é fruto do posicionamento individualista e da passividade da população como intenso fato social. Segundo o filósofo Immanuel Kant, o ser humano é aquilo que a educação faz dele. Portanto, a fim de atenuar o problema, o MEC deve instituir nas escolas palestras ministradas por psicólogos e professores acerca do tema. Além disso, a família, como formadora primordial do cidadão deve, desde cedo, abordar o assunto de forma clara. A mídia, por sua vez, tendo em vista a forte influência que exerce sobre a sociedade, deve promover propagandas evidenciando pontos importantes e incentivando a busca por assistência médica. Dessa forma, os debates se tornarão gradativamente constantes e o fato social em questão poderá ser minimizado no país