A necessidade de debater as doenças mentais

Envie sua redação para correção
    Ao longo da história, pessoas com transtornos psíquicos eram qualificadas como "perigosas" e "anormais". O tratamento, erroneamente, à elas direcionado, era a segregação, sob o pretexto de que o isolamento social teria o poder de cura. Atualmente, milhares de pessoas, em todo o mundo, são portadoras de doenças mentais, segundo dados da Organização Mundial de Saúde. No entanto, o tabu acerca da discussão dessas doenças, impede seu diagnóstico e tratamento, facilitando, inclusive, seu agravamento, como nos episódios de suicídio.  A partir do exposto, vê-se a necessidade de discussão dessa temática, a fim resolver esse impasse.
     Depressão, esquizofrenia e distúrbio de ansiedade generalizado, são algumas das doenças mentais mais comuns na sociedade atual. Apesar disso, o debate acerca dessas questões é evitado, elucidando o tabu em torno dessas doenças, oque mantém a desinformação. 
     A sociedade contemporânea convive com notícias trágicas de todo o mundo, como a ocorrência de guerras, episódios de violência dentre outros. Devido essas questões, consideram difícil aceitar fraquezas psicológicas, como se essas, não fossem, de fato, doenças que necessitam de tratamento. No entanto, é em meio à correria do dia a dia ou mesmo nos traumas ocorridos na infância, que muitos desenvolvem doenças mentais, seja por influência genética ou por alguma ocorrência de fatos. É preciso que a sociedade compreenda que doenças mentais, como qualquer outra doença, precisa ser tratada com seriedade. 
     A partir do exposto, torna-se evidente a necessidade de discutir acerca de doenças psíquicas. Para isso, parcerias público-privadas podem elaborar propagandas televisivas orientando pessoas com algum transtorno mental, a buscar ajuda com profissionais da área, como psicólogos e psiquiatras. Prefeituras podem organizar mutirões com psicólogos nas cidades, a fim de elaborar um projeto  com orientações, diagnósticos e tratamentos dessas doenças. Já a sociedade civil, deve se abster do preconceito com doenças mentais, para estar atenta às pessoas de seu meio social, oferecendo ajuda e orientando quando necessário. A discussão dessa temática em meio a roda de amigos, também pode ser uma forma de ajudar alguém que passa por problemas com essas doenças. O trabalho conjunto do Estado, oferecendo recursos para o tratamento, e da sociedade, orientando para a busca de ajuda, podem ser a força necessária para muitos buscarem o tratamento ou até mesmo, salvar vidas.