Envie sua redação para correção
    Desde os primórdios, as doenças mentais são tratadas como "loucura", ou até mesmo, "frescura". Porém, só quem convive com algum desses problemas, ou conhece alguém que os enfrente, sabe a gravidade da situação. Hoje, essa questão já virou corriqueira, e os danos e consequências causadas por ela, também.
     Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esses transtornos afetam mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo, e no Brasil, a estimativa é de que 23 milhões de pessoas enfrentem todos os dias, esse tipo de problemática.
        São momentos terríveis para quem passa por isto, que acabam com a sanidade da pessoa. Os sintomas desses distúrbios, apesar de serem vários, são quase sempre os mesmos, sendo eles: ansiedade, nervosismo, tristeza, entre outros. Muitos acreditam que o motivo desses dados serem tão altos, são a negligência e falta de informação.
       Depressão, síndrome do pânico, bipolaridade e a ansiedade estão ligados a inúmeros fatores que podem ser responsáveis por tais enfermidades, aí, entra a questão do bullying, de perdas significativas na vida do paciente, das demoras das Unidades Básicas de Saúde nos agendamentos psiquiátricos, e várias outras questões.
       Doenças mentais são gravíssimas, e quanto mais cedo diagnosticadas, mais chances tem de cura. Por isso, é preciso que haja um apoio das instituições como escolas, empresas (privadas ou não) e pelos vários meios de comunicações, para que esse tema não seja tratado com desprezo pelas pessoas em geral. Seria de suma importância que o Governo desse prioridade para esse tipo de tratamento, aumentando o número de consultas, de locais públicos de terapias, e de apoio para quem precisa. É necessário passar segurança, para todos aqueles que se sentem mal, e não desprezar, julgar e maltratar, como é feito diariamente no Brasil e no mundo.