A necessidade de debater as doenças mentais

Envie sua redação para correção
    Distúrbios mentais como problemática social
     As doenças mentais sempre foram veladas, tanto pelo governo como pelas pessoas, por representarem tabu social. Nominações taxativas e o despreparo das unidades de saúde, oprimiam quem passava por situações de distúrbio mental, causando o que hoje se tornou um dos principais problemas públicos vigentes: O aumento da prevalência das doenças mentais.
        O custo da omissão e da subnotificação se reflete em uma geração conturbada; um comprovante é o agrave no consumo de psicofármacos, capaz de gerar outro grande problema que é o vício em medicações fortes. Esses muitas vezes são receitados pelos próprios profissionais, que encontram dificuldades técnicas para realizar um tratamento integrado que possa realmente promover a cura. No entanto, não se descarta o fato de que grande parte da população acaba adquirindo o hábito de se automedicar. 
       A camada jovem é a que vem sendo mais atingida, sobretudo pela depressão e ansiedade, tornando necessária a abertura ao debate capaz de abranger tal realidade. Com a revelação de tais dados, vários meios midiáticos passaram a lançar produções voltadas à exposição da problemática, que tem como resultado a crescente visibilidade, tão importante para o diagnóstico primário e para a melhor compreensão da doença perante a sociedade.
      Nesse ínterim surge uma grande barreira, o despreparo do sistema de saúde para trabalhar casos psíquicos, principalmente mediante o aumento da demanda. Desse modo pode-se observar falhas desde a falta de acompanhamento contínuo ao paciente já diagnosticado, até a precariedade do atendimento no caso de emergência. Além disso, a deficiência de outros órgãos, como os de perícia, fazem com que os dados acerca das doenças e consequências, como o suicídio, sejam camuflados. 
       Dado o exposto, é indubitável a necessidade de se debater as doenças mentais, expondo sua realidade. O modo como é vista e conduzida desde o portador até os órgãos teoricamente capacitados para auxilio diz muito sobre a situação da problemática no país. Desse modo, deve-se investir, acima de tudo, na informatização e, por conseguinte, na acessibilidade, buscando sanar qualquer barreira que impeça o portador de distúrbios mentais de ser ajudado. A divulgação, seja de qualquer veículo, é de suma importância inclusive para famílias que muitas vezes não conseguem diagnosticar ou mesmo lidar com tal diagnóstico, dando-as o direito de obter um encaminhamento adequado.