A necessidade de debater as doenças mentais

Envie sua redação para correção
    Depressão; Ansiedade crônica; Bipolaridade e Esquizofrenia. Esses são alguns dos principais problemas enfrentados pelas pessoas na sociedade do século XXI, acompanhado de sua banalização. Retrato de uma falta de conhecimento e respeito das questões mentais. 
          Algumas doenças mentais, como a depressão, são causadas por fatores genéticos e psicológicos, que muitas das vezes são desconhecidos. A sensação de tristeza com frequência e a falta de interesse são os agentes responsáveis por alguns sintomas como as alterações no sono, apetite, concentração e autoestima. Atualmente, no Brasil, o crescimento de pessoas que desenvolvem a doença é alarmante. Prova disso são os números registrados atualmente em que, cerca de 20% dos adultos têm uma tendência a ter alguma doença mental, segundo os dados do G1. Atualmente, no Brasil, o crescimento de pessoas que desenvolvem a doença é alarmante. 
              É importante destacar, ainda, a banalização dessas doenças no meio social e tecnológico. Prova disso são os números de páginas existentes nas redes sociais que usam a depressão como uma forma de humor, a exemplo das páginas “Vestibular da depressão” e “Português da depressão”. Além disso, vale destacar, o julgamento vivido pelas pessoas que passam por esses problemas, chegando a ser insultado por alguns indivíduos que ainda subestimam a doença. 
             Fica claro, portanto, a necessidade de educar a sociedade a respeitar e compreender os transtornos psicológicos. Para isso, como formadora de opinião, a mídia, em conjunto com o Governo deve promover propagandas e palestras que conscientizem a população acerca dos efeitos destes transtornos. Atrelado a este posicionamento, as atuais gerações devem mostrar para as futuras a necessidade do respeito ao problema do próximo. Tratar das diferentes doenças mentais e seus impactos nas escolas é uma valiosa ferramenta para formar uma sociedade mais tolerante com as diferenças e possibilitar vivermos, de fato, a harmonia.