Enviada em: 05/08/2019

Segundo o cineasta Jaak Boosmans, a globalização encurtou distâncias métricas e aumentou distâncias afetivas. A partir disso, a tendenciosidade e o apelo emocional das notícias jornalísticas se configuram como distanciamento afetivo, uma vez que são prejudiciais a população. Nesse sentido, o sensacionalismo no jornalismo é um problema social brasileiro que apresenta impactos para o senso crítico dos cidadãos e para a democracia do país. Posto isso, é extremamente importante a adoção de medidas governamentais para atenuar tal questão.        Em primeira análise, é importante reconhecer que esse fenômeno é acentuado pelo advento tecnológico. De acordo com o sociólogo Zygmunt Bauman, os avanços dos meios de comunicação no mundo globalizado afetam as relações, tornando-as "líquidas" e inconstantes. Nesse cenário, o homem é exposto à informação de forma constante e exagerada. Por conta disso, o sensacionalismo jornalístico prejudica o senso crítico das pessoas, tornando-as alienadas e evidenciando a liquidez característica da modernidade.       Outrossim, vale ressaltar que isso também afeta a democraia do país. No brasil, a mídia é controlada por um pequeno grupo dominante e isso faz com que as notícias apresentem apelo tendencioso que reitera um pensamento unilateral. Isso é observado, por exemplo, na exposição de forma parcial de episódios políticos ou na maior cobertura de um acontecimento em detrimento de outro. Consequentemente, isso fere a diversidade de ideias e a democracia midiática, corroborando ainda mais a alienação.       Dessarte, é imprescindível que essa problemática seja contornada. O Estado deve impedir a disseminação de notícias modificadas ou tendenciosas por meio da criação de agentes fiscalizadores, com o intuito de tornar os meios de comunicação mais imparciais. Além disso, o Ministério da Educação deve conscientizar a população por meio da criação de campanhas e projetos para veiculação em espaços públicos, redes sociais e mídia. Tal ação teria a finalidade de melhorar o discernimento da população quanto aos conteúdos sensacionalistas. Com isso, poder-se-á afirmar que o Brasil goza de mecanismos exitosos para o combate ao sensacionalismo presente no mundo globalizado.