A proteção de dados cibernéticos no Brasil.

Envie sua redação para correção
    ''Arpanet'' foi a primeira rede de internet do mundo, surgida no contexto da Guerra Fria pelos norteamericanos, no fito de facilitar estratégias de guerra. Nesse viés, ao longo do tempo, a expansão dessa ferramente foi notória e hoje está presente na vida de milhares de brasileiros. Entretanto, a falta de educação digital, aliada à ineficiência da segurança cibernética, tem sido prejudicial a sociedade, visto que a proteção de dados virtuais é irrisória.
       Em primeira análise, pontua-se que com o advento da Revolução Técnico Científica o acesso à internet foi gradualmente democratizado. Apesar disso, o despreparo governamental está intimamente relacionado ao roubo de dados cibernéticos, pois a precariedade de políticas educacionais, voltadas ao ambito virtual, tem facilitado às práticas criminosas. Nesse contexto, o brasileiro, sem qualquer informação de segurança digital, envia para sites duvidosos, email, RG, entre outros. Logo, inúmeros cidadãos correm o risco de serem hackeados, vítimas de clonagem de cartões de crédito, etc. Afinal, de acordo com o site G1 cerca de 70% dos brasileiros utilizam a internet, sendo esses, alvos preeminentes de ataques virtuais.
       Além disso, vale ressaltar que a sensação de impunidade, no contexto digital, relaciona-se fundamentalmente com a coleta irregular de dados virtuais, haja vista a ineficiência das leis, muitas vezes com brechas e antiquadas. Sendo assim, a internet torna-se uma ''terra sem lei'', o que possibilita que sites comerciais, por exemplo, comprem e vendam dados de civis, no intuito de comercializar produtos, seja por meio da telecomunição ou virtualmente. Sob essa ótica, já afirmava Bauman a respeito da modernidade líquida, pois, em detrimento lucrativo, empresas digitais manipulam o comportamento humano, tornando-o mais consumista.
      Diante dos fatos, a União, junto ao Ministério da Educação, deve arrecadar verbas do Produto Interno Bruto. Feito isso, esse capital será investido na criação da cadeira obrigatória ''Educação Digital'' Nas escolas públicas. Logo, educadores digitais abordarão formas de proteção no âmbito virtual para que, a longo prazo, haja mais segurança nesse ramo.