Envie sua redação para correção
    Já afirmava Claude Lévi-Strauss: "O mundo começou sem o homem e poderá acabar sem ele", nessa perspectiva a sociedade presencia um paradoxo, a empáfia, em contrapartida a empatia. O Brasil originalmente era povoado pelos povos indígenas, por conseguinte, português, espanhóis, holandeses, sendo miscigenação a palavra de ordem. Dessa maneira, surge a problemática da xenofobia, qual persiste, ligada intrinsecamente ao pensamento humano, ora pela ineficácia governamental, ora pela mentalidade rudimentar de fração da sociedade.
          É indubitável que o desamparo Estatal seja fator súpero sustentáculo da problemática. Para o eminente filósofo Hobbes, o homem em seu estado de natureza, torna-se seu próprio lobo, carecendo de um poder centralizada para ministrar harmonia. De forma análoga, tal pensamento é rompido, haja vista que o Estado não corrobora de forma eficiente para a proteção dos imigrantes, por exemplo, com penas mais rígidas em caso de xenofobia. Não obstante, os agressores com estas brechas, se sentem mais seguros, resultando em homicídios, violências verbais ou físicas, humilhações públicas para com o estrangeiro- o governo não detém o lobo.
          Outrossim, a lenta mudança na mentalidade social recrudesce o paradoxo. José Saramago em seu livro 'Ensaio sobre a Cegueira' descreve uma sociedade que paulatinamente torna-se cega. Metáforas a parte, é exatamente o que sucede quando a comunidade em seu patriotismo excludente, menospreza outras pátrias, ridicularizando e até agredindo seus patriarcas, por motivos religiosos, históricos, culturais. Todavia, só com o fim de ideologias arcaicas de outrora, a cegueira será efêmera. 
          Infere-se, portanto a necessidade de mudanças governamentais e sociais. O Poder Legislativo deve tornar a Legislação mais rígida, a fim de proporcionar maior auxílio aos imigrantes. Concomitante, a própria sociedade deve se conscientizar, a miscigenação sempre esteve em nosso contexto, e nele sempre permanecerá, sendo essencial para um bom convívio a tolerância e o respeito mútuo.