Enviada em: 03/09/2018

O acesso ao conhecimento para valorização     A diversidade do brasil pode ser encontrada no espaço geográfico, com florestas, pampas e serrado; na música, com o samba, pagode e o funk; na população que possuem no DNA genes dos povos europeus, africanos e tupiniquins. Toda essa diversidade, porém, não é suficiente para garantir acessibilidade à cultura nacional, por isso muitos brasileiros não a conhecem e não a valorizam.      Apesar do Brasil possuir um grande público que assiste novelas, quando se fala em teatro e museus esse quantitativo decresce significativamente. A controversa se dá ao analisar a alta audiência dada para os romances que ocorrem entre atores teatrais sob um repertório de décadas ou séculos passados. Ou seja, há o interesse por boas representações e pela história nacional, entretanto ir ao teatro ou ao museu é mais caro do que assistir televisão.     De acordo com o publicado no site do unicentro e segundo o pesquisador Frederico Barbosa, cerca de 80% da população brasileira nunca foi ao cinema e os que vão, na maioria das vezes preferem o cinema hollywoodiano. Tal informação demonstra, em parte, a falta de interesse e não valorização do cinema brasileiro que é tão vasto quanto o americano. Desta forma, a falta de acesso é relevante para a escassa procura da população pela cultura do que é nacional.      Portanto, não basta garantir a existência de teatros, museus ou filmes, o estado deve também proporcionar o acesso aos mesmos pela população. O Governo Federal deve criar programas e projetos como "cultura para todos", nele alunos de escolas públicas, federais e municipais ganhariam ingresso e, como uma excursão escolar, seriam levados pelos professores e diretores para assistirem peças de teatro e conhecer museus do território brasileiro. Não somente, em parceria com o Ministério da Cultura e Educação promover eventos em instituições públicas, colégios e cieps, para reproduzir filmes nacionais de forma gratuita à comunidade ao redor do espaço físico cedido pelo estado. Assim, mais pessoais terão acesso e, consequentemente, vão passar a conhecer e valorizar a cultura nacional.