Enviada em: 04/09/2018

A recente tragédia no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, ressalta a discussão do valor à cultura no Brasil. Em linhas gerais, o que marcou a perda do monumento foi o desinteresse do poder público em manter com qualidade o prédio histórico. A partir desse desastre premeditado, é revelada a falta de sintonia entre o povo e sua cultura, com uma exacerbada desvalorização de obras e de seus artistas.      Nesse viés, o cidadão brasileiro não é ensinado a cultuar sua própria cultura; não é praticado o hábito de valorização. De acordo com Ariano Suassuna, o conceito de Indústria Cultural ilustra uma supervalorização do que é produzido no exterior e, por sua vez, uma minimização das obras brasileiras. Exemplo claro é a alta importância que se dá à Mitologia grega e, em contrapartida, o Folclore brasileiro perde espaço no cenário nacional.      Além disso, a figura do artista no Brasil - quer seja dançarino, músico ou artista plástico - sofre com uma desvalorização junto à profissão. Inclusive, é uma das temáticas tratadas pelo filme brasileiro "O palhaço", em que o protagonista e todos do circo sofrem com a baixa procura de populares pelo espetáculo. Essa circunstância deve-se ao sistema educacional, que trata os cursos tradicionais - medicina, direito e engenharia - como os únicos importantes por causa do sucesso financeiro e, consequentemente, o artista em potencial é inibido por sofrer preconceito e pela falta de público. .        Portanto, em virtude dos fatos mencionados, faz-se necessária uma intervenção sobre o tema. Assim, um povo sem identidade com sua cultura está sujeita a ser gado, passando a ser sempre tocado por quem detém o conhecimento, como escreveu Leonardo Sakamoto em sua coluna no UOL. A partir disso, o Ministério da Educação e Cultura deve destinar verba exclusiva para auxiliar as escolas na montagem adequada de salas de vídeos, para promover o acesso à filmes brasileiros aos alunos em turno oposto;  outra medida fundamental, será a realização de eventos em datas especiais, como o "dia da Consciência Negra". Vale ressaltar que relatórios precisam serem feitos para fiscalizar a execução desse projetos, que têm como objetivo  a busca pela sintonia do brasileiro à sua cultura.