A valorização do esporte feminino no Brasil.

Envie sua redação para correção
    No filme "Menina de Ouro", a personagem Megan se depara com a atitude machista do proprietário da academia de "Boxe" que rejeita treiná-la pelo seu gênero, dificultando-a de seguir o seu sonho como lutadora. Nesse sentido, não há contraste com o real e o fictício, pois ainda hoje, mulheres como a Megan enfrentam dificuldades de conquistar espaço no meio esportivo, recebendo pouca visibilidade e credibilidade. E isso, é gerado por fatores históricos e culturais que comprometem a valorização do esporte feminino no Brasil.
    
      Em primeiro lugar, é preciso entender que a cultura machista permanece enraizada na sociedade, prejudicando, assim, a inclusão da mulher no esporte. Esses hábitos podem ser facilmente identificados, como por exemplo a desvalorização e baixa credibilidade fornecida à jogadora Marta, que se tornou a maior artilheira da seleção brasileira, superando o Pelé.
    
      Devido a essa cultura, Marta e outros ícones femininos lutaram e lutam para conquistar seu espaço. Porém, essa batalha é árdua e existe desde a formação da sociedade brasileira. Como na Era de Vargas, em que as mulheres foram proibidas de praticar esporte durante 28 anos, devido a lei 3199. Atitudes como essa infringem os Direitos Humanos e por isso devem ser evitadas, necessitando da atenção da Confederação Brasileira de Futebol(CBF) e da Federação Internacional de Futebol para essa questão.
      Portanto, é preciso que medidas sejam tomadas para solucionar esse impasse. E para isso, a CBF(entidade responsável pela administração da seleção brasileira de futebol e pela organização de campeonatos nacionais), juntamente com a FIFA(que responde pela organização internacional das disputas) devem obrigar os clubes a terem, no mínimo, uma equipe feminina adulta e uma de base, através do documento que regula as competições profissionais. Para ter a estrutura básica necessária para futuras disputas nacionais e internacionais, que também serão coordenadas pelas duas entidades, e assim, se iniciará o progresso da inclusão por meio do futebol, visando dar às atletas como Marta e Megan a possibilidade de expandirem  seus espaços nesse meio.