A valorização do esporte feminino no Brasil.

Envie sua redação para correção
    A valorização do esporte feminino no Brasil
          Nas olimpíadas de 1932, aos 17 anos, Maria Lenke foi a primeira brasileira a participar dos jogos olímpicos, fato que incentivou outras mulheres a fazerem o mesmo. Conquanto, a desvalorização do esporte feminino no Brasil impossibilita que essa parte da população desfrute do mesmo acesso a eles na prática. Nesse contexto, não há dúvidas de que este descaso é um desafio no país; o qual ocorre, infelizmente, devido não só ao preconceito, mas também a falta de incentivo nas escolas.
    
          Historicamente, as mulheres foram excluídas de diversos esportes e só passaram a ter o direito de participar de todas as modalidades olímpicas em 2012. A cada dia, a participação feminina é maior. Porém, o preconceito permanece, onde a capacidade de todas é questionada por seu gênero. Segundo a socióloga Nathalia Ziê, o universo dos esportes é muito machista, e muitas vezes as mulheres não são levadas a sério em diversas atividades físicas, sofrendo preconceito e exclusão. Dessa forma, é inadmissível que medidas não sejam tomadas para uma melhor inserção das mulheres nessas áreas.
    
          Faz-se mister, ainda, salientar a escassez de estímulo nas escolas como impulsionador do problema. De acordo com o relatório “Movimento é Vida”, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a prática de exercícios físicos por mulheres no país é 40% inferior aos homens. Logo, mudanças nas bases escolares devem ser tomadas para que as meninas sejam inseridas nos jogos tanto quanto os meninos, de forma segura e .
    
          Portanto, indubitavelmente, medidas devem ser tomadas para incluir mais as mulheres nos esportes. As escolas e as famílias devem ensinar e educar as crianças em primeiro lugar, mostrando, desde cedo, a importância do respeito e incentivando-as a praticarem quaisquer atividades, mesmo sendo considerada muitas vezes inadequada ao seu gênero pela sociedade. Espera-se assim, que mais mulheres façam história nos esportes e que sejam valorizadas como qualquer outro homem.