A valorização do esporte feminino no Brasil.

Envie sua redação para correção
    “Mudaram-se os tempos, mudaram-se as vontades”. É provável que Luiz de Camões, poeta português, não se deslumbrava sobre o potencial que seus sonetos pudessem exercer, também, em torno da discussão sobre o esporte feminino no Brasil. Tendo em vista, que essa modalidade ainda carece de valorização. Nesse contexto, deve-se analisar como o fator histórico-cultural e a falta de investimento influenciam na problemática em questão.
     Em primeiro plano, é necessário entender como o fator histórico-cultural é um impulsionador do problema. Isso porque, ao longo da história da humanidade, a ideia na qual a função da mulher é apenas procriar e cuidar dos afazeres domésticos foi passada para as gerações. Prova disso é que as mulheres só conquistaram o direito de votar no país em 1932, muito após os homens. Além disso, esse preconceito contra as mulheres, ao longo dos anos, dificultou a inserção delas no esporte, de tal modo que desde a infância elas não são incentivadas a praticarem-no, seja futebol, artes marciais, entre outros.
     Atrelado a isso, nota-se, a dificuldade de aceitação pela sociedade, e consequentemente, o mercado capitalista não investe no esporte feminino no Brasil. Isso acontece porque o capitalismo busca realizar investimento onde a população tem maior interesse, dessa maneira, terá retorno financeiros aumentados. Em decorrência disso, a modalidade feminina de esporte carece de visibilidade, incentivo e patrocínio. Tal fato é comprovado pelo modo que as ações voltadas a copa masculina de futebol são mais engajadoras e planejadas em relação a copa feminina. De acordo com o jornal Estadão a premiação da copa feminina de futebol dobrou no último evento chegando a trinta milhões de dólares, enquanto a premiação masculina é de 400 milhões de dólares.
     Torna-se evidente, portanto, que a desvalorização do esporte feminino no Brasil é algo pertinente e precisa ser revisado. Em razão disso, o Ministério de Educação, em parcerias com as escolas, deve aumentar os incentivos da prática de esportes pelas meninas nas escolas, para que assim a aceitação venha desde a infância, e que o preconceito enraizado venha ser eliminado. Dessa forma, aumentará a inclusão de mulheres nos diversos esportes e aumenta os investimentos nessas atletas. E, quem sabe assim, a mudança dita por Camões venha ser somente positiva.