Aplicativos x empresas tradicionais: A revolução tecnológica do século XXI

Envie sua redação para correção
    A revolução industrial inglesa é um exemplo de como o liberalismo é a melhor teoria econômica já pensada, tal teoria defende a liberdade do empreendedor e a inexistência de intervenções estatais na economia. Atualmente, no Brasil, uma onda de aplicativos, que fizeram sucesso em uma economia de livre comércio, está captando grande parte do mercado, gerando um desconforto para as instáveis e, protegidas por órgãos reguladores, empresas que atuam no Brasil.
          Com o fim de explorar o mercado brasileiro, aplicativos livres de regulamentação estatal e sem vínculo trabalhista, chegaram oferecendo vantagens para o consumidor em comparação com os serviços já estabelecidos, um exemplo de vantagem apresentada por esses aplicativos é visto no Uber, a diferença percentual de preços entre viagens de táxi e de Uber variam de 15% até 50% a favor do aplicativo.
          Provavelmente, a maior parte da população não tem o conhecimento do prejuízo causado por órgãos reguladores, em sua criação a função desses é a defesa dos interesses do consumidor, mas devido à má administração e por servir de máquina para políticos manterem-se no poder, tais órgãos acabam defendendo os interesses de quem os comanda, criando regulamentações desnecessárias que só os que já estão estabelecidos podem cumprir, impossibilitando pequenos empreendedores crescerem e disputarem igualmente espaço no mercado.
          Certamente, devido a constante interferência do estado, não há espaço para o empreendedorismo no Brasil, uma maneira de ampliar o cenário, é através de uma reforma econômica, cabe ao presidente da república dialogar com o legislativo, em busca da aprovação, com a extinção de órgãos reguladores e o incentivo à livre concorrência, como pontos altos do fomento ao liberalismo mercantil.
          Em suma, a liberdade de comercio, apresentada neste caso pelos aplicativos, é rejeitada pelos governantes, por serem conflitantes aos seus interesses, sendo essa liberdade, coincidentemente, a melhor forma de oferecer serviços à população.