Aplicativos x empresas tradicionais: A revolução tecnológica do século XXI

Envie sua redação para correção
    O ano de 2016 foi marcado por uma série de protestos de taxistas reivindicando a proibição do aplicativo de transporte Uber. Alegando prejuízos financeiros, os profissionais que ainda não se adequaram a essa revolução tecnológica estão insatisfeitos com a concorrência, visto que, geralmente, pagam maior carga tributária e possuem despesas mais elevadas. É necessário, portanto, avaliar as causas dessa resistência para solucioná-la e evitar novos conflitos.
          É indubitável que a questão ideológica esteja dentre os motivadores do problema. Conforme exemplificado por Platão em sua alegoria do Mito da Caverna, o ser humano tem dificuldade de aceitar e adaptar-se ao novo, especialmente se essa realidade trouxer algum tipo de dano pessoal. Resistência semelhante já podia ser verificada há cerca de dois séculos quando trabalhadores ludistas promoveram a quebra de máquinas industriais. Logo, é importante atuar na fragmentação dessa característica.
         Outrossim, pode-se mencionar o obstáculo educacional como agravante da situação. O baixo nível de instrução tecnológica da população brasileira, especialmente da geração com idade superior a 40 anos,  dificulta a inovação. De modo análogo à revolução trazida pelos computadores, há indícios que será preciso adaptar-se, pois os consumidores estão cada vez mais satisfeitos com os aplicativos. Dessa maneira, por intermédio da educação, é preciso facilitar a compreensão que os dois modelos de negócio podem ser complementares e não apenas excludentes.
          Fica claro, assim, que tais conflitos devem ser solucionados por meio de ações multi-setoriais. Com esse objetivo, os sindicatos e associações de empresas devem promover palestras expondo a importância da tecnologia na contemporaneidade, desse modo estimulando as empresas a inovarem para não perderem espaço no mercado. O Ministério da Educação, por sua vez, atuará na instrução da população: a curto prazo por meio da promoção de cursos online gratuitos sobre o uso e desenvolvimento de aplicativos, e a longo prazo instituindo a disciplina de Educação Tecnológica nas escolas.