Enviada em: 04/09/2017

O ritmo acelerado do mundo globalizado criou um estado de urgência na população que tenta se adequar aos novos padrões socais, seja nas relações à distância, seja no meio corporativo, aos quais estão em constante mudança; somando-se a isso o desenvolvimento da tecnologia que ao longo dos anos contribuiu no aumento das relações no meio virtual e no consequente distanciamento das relações que ocorrem no mundo físico. A partir daí, surgiu o conceito de "modernidade líquida", criado pelo escritor polonês Zygmunt Bauman que via a sociedade como algo inconstante a qual fluía e se transformava com facilidade – fazendo uma comparação com os líquidos.     Outrora, no final do século 19,  a terceira Revolução Industrial, também conhecida como Revolução técnico-científica informacional, simbolizou a chegada da era da tecnologia e informação e, com isso, na tentativa de acompanhar o ritmo exacerbado das mudanças na industria, no meio social e no mundo corporativo, as pessoas se tornaram mais imediatistas. Consequentemente, como afirmou Bauman, tais mudanças ocasionaram um sentimento de incerteza nas pessoas, que se questionavam sobre sua capacidade de se adequar às mudanças constantes do cenário global.     Outrossim, com o aumento no ritmo das industriais e das informações, aumentaram-se também as exigências no meio profissional. Assim, a sociedade passou a cobrar mais do indivíduo para que atendesse a demanda do mercado de trabalho. A partir daí as pessoas foram se tornando cada vez mais individualistas por conta da pressão que se desenvolveu, distanciando-se dos seus relacionamentos interpessoais.     Em sínteses, são necessárias medidas que visem o equilíbrio do indivíduo com o meio tecnológico. O MEC pode incentivar o debate nas escolas com o intuito de diminuir o uso excessivo das tecnologias. As Ong's por meio de palestras, podem conscientizar as pessoas da importância de preservar as relações interpessoais e buscar o equilíbrio entre  a busca pelo aperfeiçoamento profissional e o lazer....