Envie sua redação para correção
    A violência nos esportes tem sido um problema recorrente nos últimos anos. No Brasil, recordista mundial de mortes no futebol, entre muitos grupos, jogadores, autoridades que tentam conter, torcedores, cujas brigas geraram mais de 101 mortes nos últimos 26 anos, seja por tiros, espancamento, bombas, entre outros (de acordo com o site R7), não há sinais de que tais ações vão cessar. O fanatismo já alcançou níveis críticos, tanto fisicamente quanto verbalmente, as causas, também advindas de uma sociedade violenta e da noção de "família" criada dentro de um determinado grupo, geram consequências imutáveis.
    Como dizia o pesquisador e professor de ciências sociais Bernardo Buarque de Hollanda, apesar de outros países como a Alemanha estarem trabalhando preventivamente no futebol, o que está trazendo bons resultados, o Brasil se mantém na repressão indiscriminada, na qual não separa agressores de torcedores, qualifica os membros como predispostos ao enfrentamento, o que gera, como efeito colateral, o aumento do nível de beligerância nos estádios, e da tensão entre a torcida e a polícia.
    Além de causar problemas nos jogos, essas ocasiões fazem com que famílias que assistiriam e os jogadores em si, não pretendem mais jogar ou ver. Em 2017, equipes de basquete comunicaram não querer atuar em um jogo pelo risco, medo, devido a falta de segurança e policiamento adequado. Brigas já paralisaram partidas, e nenhum esportista entra em uma quadra com o intuito de sair interrompido por enfrentamentos.
    Entretanto, muitas vezes ocorrem emocionalmente, como racismo ou homofobia, como o goleiro Aranha, que sofreu no campo a alguns anos (o que gerou multa ao time Grêmio) e nas redes sociais
    Para que menos pessoas se machuquem ou morram, e não hajam consequências para ninguém, a plateia deve contribuir para a realização do esporte ou perderá o direito de assisti-lo, respeitando o espaço, e a polícia deve ser mais organizada, possuir maior controle. O esporte é união, entretenimento, não agressividade, vandalismo e destruição.