Envie sua redação para correção
    Promulgada pela ONU em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos garante a todos os indivíduos direito à segurança e ao bem-estar social. No entanto, a incidência de violência no esporte brasileiro impede que parte da população mundial desfrute desse direito universal em sua plenitude. Nesse contexto, não há dúvidas de que esse é um problema a ser enfrentado pelo Brasil; o qual ocorre, infelizmente, por várias razões e gera grandes prejuízos. 
        É de conhecimento geral que, ao longo dos anos, o esporte brasileiro ganhou repercussão mundial, atraindo assim diversos tipos de pessoas, incluindo as mais violentas. Segundo levantamentos do site R7, entre 1988 e 2014, morreram pelo menos 101 pessoas, vítimas da violência esportiva. Entre os principais impulsionadores do problema estão: a falta de respeito e a má fiscalização policial dentro do estádio. Pois, se os cidadãos respeitassem a torcida alheia, não haveria violência, e, se existisse boa fiscalização no local da partida, revistando cada pessoa ao entrar, os policiais conseguiriam evitar as mortes. 
       Também é importante salientar as consequências que esse tipo de violência gera. Segundo o filósofo Thomas Hobbes, o homem é o lobo do próprio homem, ou seja, o homem, em seu estado de natureza, é mau. O pensamento de Hobbes explica o porquê de o indivíduo agir de forma agressiva, gerando assim consequências como: a retirada do time infrator de outros campeonatos, perda de mando de campo e até mesmo a má reputação do esporte brasileiro, o que prejudica diretamente o país. 
       Portanto, medidas são necessárias para resolver o problema em questão. O Ministério de Segurança pode tornar a segurança mais rigorosa nos estádios, através de uma maior fiscalização, com o uso de câmeras de vigilância, funcionários que fiquem fazendo rondas pelo estádio para se certificarem de que não há nenhum objeto perigoso no local e policiais espalhados dentro e fora do local para revistar tanto os espectadores do jogo, como os próprios jogadores. Espera-se, com isso, a diminuição da violência esportiva no Brasil.