Envie sua redação para correção
    Desde a criação da internet, na segunda Guerra Mundial, e sua universalização, facilitou-se o acesso à informação. Nesse contexto, atualmente se tem maior dados de doenças, sintomas e medicamentos, o que pode levar a um medo excessivo e não real à patologias não diagnosticadas: "cibercondria", derivado da hipocondria, e para entender o porquê dessa ser a doença da era digital, é necessária a análise do tema.
        Com efeito, assim como Van Gogh bebia tinta amarela por achar a cor alegre sem ter a percepção que nela continha chumbo que causa depressão, as pessoas que utilizam remédios desenfreadamente não têm consciência do mal que fazem ao seu próprio corpo, podendo assim gerar uma doença mais grave. Entretanto, essas atitudes se tornaram facilitadas com a flexibilização gerada pela Era Digital: hoje, no Brasil, pode-se comprar remédios sem sair de casa e sem consultar a médicos ou farmacêuticos, logo, essa praticidade irracional é um dos fatores que leva ao aumento da automedicação resultado da cibercondria.
    
          Nesse viés, tendo em vista que mais de 64% da população tem acesso à internet, segundo o IBGE, e os sites de busca como o Google e o Bing.com os indivíduos tem contato com um grande leque de informações. Sendo assim, juntamente com o acesso dificultado a médicos pela grande fila de espera do Sistema de Saúde, as pessoas buscam resolver o problema de forma barata e prática, sem precisar esperar em filas ou pagar por consultas particulares. Desse modo, a falha da saúde pública é um fator que influencia os indivíduos a recorrerem a internet e muitas vezes se "autodiagnosticarem" de forma irreal, levando ao medo excessivo.
    
          Dessarte, o Ministério da Saúde, além da realização de campanhas midiáticas para conscientização, deve fortalecer o SUS, por intermédio do agendamento de consultas online e contratação de médicos suficiente para a demanda, diminuindo a espera nos hospitais, a fim de que a  população sinta-se atraída e o busque antes de tomar atitudes prejudiciais, contendo desse modo a cibercondria, a doença da Era Digital.