Cibercondria: a doença da era digital

Envie sua redação para correção
    Segundo a Terceira Lei de Newton, "para toda ação (força) sobre um objeto que interage com outro objeto, em resposta, ocorre uma reação (força) de mesmo valor e direção mas sentido oposto". Em discordância com essa lei estão os doentes por cibercondria, pois eles tomam medicações sem noção dos efeitos colaterais. Afinal, segundo a Organização das Nações Unidas existem duas causas para esse problema, o Brasil estar em 63º lugar no Ranking Mundial da Educação, além do mesmo estar 10º lugar no Ranking Mundial da desigualdade social. 
          Em primeira análise, cabe pontuar que a cibercondria é atual e pertence ao século XXI, portanto causa sério desconforto para as escolas que se mostram incapazes de ensinar sobre dependência química de maneira correta. Uma prova da importância da educação para curar a cibercondria reside na frase do educador Paulo Freire, "não existe vida sem correção, retificação". Logo, excesso de informação se mostra nocivo ao cidadão que não consegue interpreta-las de forma correta e verdadeira, gerando abuso de drogas por meio da auto medicação.
          Em segunda crítica, vale ressaltar que a cibercondria é efeito severo da desigualdade social brasileira, que beneficia poucos e mal trata muitos. Essa afirmação habita na paráfrase de uma pesquisa farmacêutica, a cada 10 pessoas 8 se auto medicam. Logo, lugares do mundo sem contato físico com profissionais em saúde, são obrigados, por causa de sintomas, a buscar no "Dr. Google" medicação, tratamento ou cura, muitas vezes resultando em acidente ou fatalidade.
          Enfim, é necessário atenuar esse agravante que atinge milhares de pessoas no mundo inteiro. Por meio do poder do Estado em contato com escolas, mídias e hospitais para orientar os cidadãos com doenças que exigem dependência química a buscarem o Centro de Assistência Psicossocial para se libertarem das drogas e equilibrar o corpo humano. Logo evitando over dose e preservando a vida. Enfim, dessa maneira é possível corrigir o número de acidentes por cibercondria no Brasil e mundo.