Envie sua redação para correção
    Em 2001, a BBC noticiou que a área médica lidaria com uma nova condição: a cibercondria ou “síndrome da pesquisa na internet”. Esta doença é representada por pacientes que consultam os seus sintomas online e posteriormente abordam os médicos com uma ideia pré-determinada sobre a sua condição. Fora da medicina, é fato que a Cibercondria - que a cada ano torna-se mais comum, devido à utilização da internet - tem seus principais fatores: a não verificação do site que está retirando informações para se diagnosticar e a falta de visibilidade dessa doença que causa uma grave ansiedade nas pessoas, acarretam um impacto negativo, logo sendo imprescindível uma mudança.
         Primeiramente, sabe-se - segundo pesquisadores da AMIA Simpósio Anualé - que 80% dos adultos procuram informações sobre saúde online, entretanto 75% não verifica se a informação é válida e precisa, como por exemplo na verificação da fonte. Então, tendo em mente tal estatística, é indubitável que a Cibercondria atinja boa parte da população, no qual não procuram se informar da qualidade dos sites e das informações verídicas ou não, sendo assim, inquestionável a conscientização sobre as informações recolhidas na internet. 
          Ademais, é importante ressaltar que, com base numa análise feita nos Estados Unidos, a pesquisa na internet acontece sobretudo para acalmar a ansiedade, mas a quantidade de resultados muitas vezes contraditórios faz aumentar ainda mais esse estado. Bem como, tendo a possibilidade de sofrer de ansiedade relativa à saúde, procurar um médico ou terapeuta é indispensável para uma solução. Porém, com poucas pessoas conscientes da existência dessa condição, é evidente a falta de preocupação com a mesma, sendo necessárias atitudes cabíveis à causa.
         Portanto, para que todos entrem em alerta sobre a Cibercondria, urge que o Ministério da Saúde intervenha com propagandas por meios midiáticos com o alerta sobre essa doença - dando credibilidade à causa e despertando o interesse da população -, e disponibilizando uma plataforma do estado online para perguntas médicas frequentes, - minimizando o erro das pessoas ao pesquisar em sites não confiáveis sobre seus diagnósticos. Dessa forma, será possível um equilíbrio entre a dificuldade médica na internet e a ansiedade em relação a doenças corriqueiras, assim tendo um controle maior sobre seu corpo e sua mente.