Enviada em: 16/08/2019

Funcionando como a primeira lei de Newton, a lei da inércia, a qual afirma que um corpo tende a permanecer em movimento até que uma força suficiente atue sobre ele, a evasão universitária vem acarretando vários prejuízos para o sistema governamental. Neste sentido faz-se necessário analisar os fatores que fazem o problema acontecer.      A priori, é preciso destacar que cada vez mais os jovens estão sofrendo com crises de existencialismo gerando assim incertezas. Consoante Neruda - Você é livre pra fazer suas escolhas, mas é prisioneiro delas- tal afirmação assusta muito jovens que vêm numa graduação a saída dos problemas, que muitas vezes fazem por fazer, e não por vocação. Sendo assim, tal decisão trás resultados negativos, como a desistência do mesmo que além de trazer prejuízos para o Estado, faz com que vagas que formariam pessoas eficientes seja ocupadas e desperdiçadas.      Ademais, a pressão familiar estabelecida faz com que a problemática se torne recente. Um exemplo a ser citado, são jovens que fazem graduações que os pais escolhem, trazendo insatisfações e desistências. Dessa forma, o acolho íntimo se torne um tormento. Sendo assim, a família deve ensinar desde a infância que seja em qual profissão, a satisfação pessoal dee ser prioridade.      Destarte, vê-se que a sociedade está cada vez mais carente de profissionais felizes em suas áreas. Em contraste, o Estado paralelamente com  o MEC (Ministério da Educação) deve promover campanhas universitárias e palestras ministradas por psicólogos em faculdades e escolas, discutir profissões e vontades com jovens, afim de expor que seja a graduação que for escolhida, quem faz a profissão ser valorizada é profissional, com o efeito de futuramente as vagas estejam preenchidas ate o final do curso, formando profissionais ativos e coerentes na sociedade....