Enviada em: 19/08/2019

De acordo com o último censo do INEP, o Brasil apresenta mais de oito milhões de alunos matriculados em universidades, sendo que a taxa de evasão equivale a cerca de um milhão de estudantes. A partir disso, é notável que o índice de escape pelos universitários é grande, como também a defasagem do Ensino Básico e a falta de auxílios financeiros são as principais causas da problemática. Por conseguinte, esse fenômeno é consequente da ausência de suporte das escolas, bem como da carência de bolsas de estudos.   É importante pontuar, de início, que as instituições de nível básico formam alunos despreparados para escolherem suas áreas de atuações. Tal situação torna o ingresso na vida acadêmica desses estudantes uma desordem, pois matriculam - se em faculdades que não têm o mínimo fascínio e depois desistem. Prova disso, são os dados do INEP afirmarem que do total de evasão das universidades, 50% ocorre no primeiro semestre, tornando notório que o sistema de ensino brasileiro é responsável pela ocorrência do escape.   É fundamental pontuar, ainda, que a crise econômica se agrava e resulta em cortes no financiamento de faculdades aos universitários. Diante disso, alunos são obrigados a saírem das universidades por não terem formas de arcar com os custos das próprias. Desse modo, é preferível conceder bolsas de estudos aos estudantes do que romper com os mesmos.    Portanto, a falta de direcionamento vocacional e a situação financeira são responsáveis pela evasão universitária. O Ministério da Educação deve criar um sistema de aconselhamento vocacional e pôr nas escolas psicólogos que discutam com os alunos do ensino médio suas áreas de atuações futuramente. Além disso, o Governo Federal deve ceder anualmente 500000 bolsas de estudos em faculdades privadas aos estudantes de baixa renda. Dessa forma, estudantes estarão orientados no Ensino Básico e terão subsídios financeiros para permanecerem nas universidades. Só então, o Brasil será um país que investe na educação superior dos indivíduos....