Enviada em: 07/05/2018

Com o advento da Revolução Industrial, no século XVIII, a humanidade descobriu um novo jeito de produzir,a manufatura deu lugar as maquinas, e o mundo conheceu a produção em massa. Entretanto, nunca foi pensado que tal tamanho desenvolvimento poderia afetar natureza de formas catastróficas. Nesse contexto, convêm analisar quais as possíveis medidas para evitar que tragédias ambientais ocorram no país.         No ano de 2015, os brasileiros assistiram a barragem em Mariana se romper, e a lama armazenada destruir: casas, animais, florestas e rios, devastando o ecossistema daquela região. Isso aconteceu porque, mesmo com a clara desestabilização e  erosão da barragem, o Conselho Estadual de Política Ambiental (COPAM), aprovou a licença de operação da barragem. Em decorrência dessa grave falha da instituição, o Rio Doce ( fonte abastecimento para muitas cidades mineiras), foi atingido por milhões de metros cúbicos de dejetos, e levará décadas para se recuperar, influenciando negativamente a vida de milhares de pessoas.           Além disso, nota-se, ainda, que a Samarco (empresa responsável), aumentou 32% de sua produção naquele ano, e não teve o entendimento de aumentar, proporcionalmente, os investimentos a proteção ambiental. Segundo o canal de notícias Plus 55, a RTI ( Rescue Training International ) elaborou um plano de emergência para monitorar a barragem de fundão, mas esse foi recusado pela diretoria da Samarco por ser muito oneroso. Em consequência dessa política de lucros elevados e poucos investimentos,- visão partilhada pela a maioria das empresas brasileiras - vidas foram perdidas, e o Brasil conheceu sua maior tragédia ambiental.                  Torna-se, evidente, portanto, que essa acontecimento triste que marcou a história do país, precisa ser tomado com exemplo, para evitar que outros eventos dessa magnitude ocorram. Em razão disso, os órgãos estaduais de políticas ambientais em consonância com o IBAMA, devem, exigir estudos detalhados da estrutura feitos por uma equipe com profissionais das mais diversas áreas, no intuito de evitar calamidades como esta. Ademais, faz-se necessário que o IBAMA elabore um plano de metas para os demais empreendimentos, a fim de disseminar o compromisso ambiental em empresários e diretores, e caso seja descumprido, sejam aplicadas multas e dado prazos para serem efetuadas, com risco de encerramento de atividades. Dessa forma, o Brasil, poderá ter a maioria de suas empresas engajadas na preservação ambiental....