Enviada em: 13/10/2017

Segundo Voltaire, importante filósofo, a civilização não suprime a barbárie, aperfeiçoa-a. Nesse sentido, as sucessivas Revoluções Industriais e a matematização do tempo, a partir do século XVIII, construíram novas relações sociais. Entretanto, ao analisar o preço do desenvolvimento, em face aos desastres ambientais, fazem-se necessárias medidas emergenciais, sendo analisadas as verdadeiras causas desse mal.        Em uma primeira abordagem, é válido sinalizar que a obtenção de lucro e capital, ou seja, a prática comercial está enraizada na sociedade. Isso é comprovado pelo fato de que os portugueses, ao colonizarem o Brasil, viram um enorme potencial tanto em terras quanto em potencial vegetativo, dando início à exploração. Assim, agindo como “donos da terra” levaram grande parte da riqueza, que era, portanto, força motriz do mercantilismo. Dessa forma, retomando o pensamento de Voltaire, é notório o aperfeiçoamento da ação antrópica sobre os ecossistemas, pois mesmo após séculos de colonização, ainda não existem políticas eficazes de controle sobre os biomas, abrindo as portas para a destruição.       Aprofundando a análise, devem ser considerados os fatores legislativos do Brasil. A baixa fiscalização neutraliza a ação contra a destruição, em que, só na região Norte, devido à expansão da criação de gado e a manutenção da monocultura da soja houve a ampliação do Arco do Desmatamento, que divide a Amazônia em fatias fundiárias, herdadas, também, da má administração colonial. Além do mais, o preço pago pelo desenvolvimento corrobora para que problemas como o aquecimento global, outro fruto desses desastres, torne-se elevado.        Em suma, é preciso erradicar os desastres ambientais provocados pelo homem. Para isso, cabe ao judiciário aplicar a lei de forma severa aos responsáveis pelos danos ambientais, ainda, por meio de palestras, deve-se conscientizar a população sobre as consequências do desmatamento. Ademais, numa ação participativa entre Estado e ONG’s, aplicar recursos financeiros a fim de recuperar as áreas anteriormente destruídas. Com essas ações, os impactos negativos do desenvolvimento se farão presentes apenas em futuros livros de História e planeta será socialmente melhor.  PS: Senhor corretor, o tema da dissertação é: "Impactos ambientais: qual o preço do desenvolvimento? Obrigada....