Envie sua redação para correção
    Em meados do século XIV com o desenvolvimento do mercantilismo,a Europa enfrentou a Peste Negra,que matou cerca de 25 milhões de pessoas,devido ao intenso desmatamento florestal para expandir a agricultura.Sob esse viés,a contemporaneidade brasileira pode ser comparada com o episódio histórico,já que no âmbito social o lucro é sempre colocado em primeiro lugar,causando a destruição da natureza e a morte de milhares de pessoas,como o desastre de janeiro de 2019 em Brumadinho(Minas Gerais).Logo,é imperioso a conscientização da sociedade acerca da importância da preservação do meio ambiente e os malefícios da não preservação. 
          A priori,o acidente em Brumadinho aconteceu pelo rompimento da Barragem I da Mina do Feijão,que de acordo com o Datafolha matou 228 pessoas até então.Com isso,nota-se que a ascensão do capitalismo pós Guerra Fria fez com que a maioria das pessoas se preocupassem apenas com mais dinheiro em suas contas e não se importassem com os danos que tais atitudes causam para a natureza e para outros indivíduos.Prova disso,é que segundo o Ministério do Meio Ambiente,a Barragem adotada pela mineradora Vale era do tipo alteamento a montante,sendo considerada a mais barata e menos segura.Portanto,igualmente em Mariana(Minas Gerais) em 2015 as grandes empresas fecharam os olhos para situações de risco à natureza e deixaram inúmeras famílias desoladas.Desse modo,assim como dizia Sartre:"A violência seja qual for a maneira que se manifesta é sempre uma derrota".
             Além disso,cotidianamente são vistas situações que persistem em degradar o ecossistema,não só de grandes empresas,mas de todos os cidadãos,como:poluição,destruição da fauna e da flora,caça e pesca.Sendo assim,tais atitudes são consideradas crimes ambientais pela lei 9.065/98,pois o Artigo 225 da Constituição consagra um meio ambiente sadio como uma forma de extensão ao direito à vida,uma vez que sem este não há qualidade de vida.Desa forma,a natureza funciona como a 3° Lei Newton,reagindo com a mesma força e intensidade  em que os seres humanos a degradam. 
             Diante disso,cabe ao Ministério do Meio Ambiente junto ao Poder Legislativo investir em métodos e leis que rompam com os grandes desastres ambientais,como criar uma lei em que barragens devem ser construídas a jusante,sendo o tipo mais seguro,para que assim desastres como o de Mariana e Brumadinho não aconteçam mais.A posteriori,devem criar projetos que proíbam a degradação do ambiente no cotidiano do brasileiro,como jogar lixo nas ruas,construindo campanhas com o apoio do Ministério da Cultura,para conscientização das pessoas da importância da valorização da natureza,colocando especialistas para mostrar os malefícios da degradação,para que o indivíduo adote a postura de cidadão e cuide do lugar que habita.Assim,romperá com as heranças da Europa medieval.