Desastre em Brumadinho e a gravidade da reincidência dos crimes ambientais

Envie sua redação para correção
    Nos últimos quatro anos, o Brasil vem enfrentando dois grandes desastres ambientais. Embora tenha ocorrido o Desastre de Mariana em 2015, isso voltou a ocorrer em 2019, com o Desastre de Brumadinho, evidenciando que o Brasil precisa colocar leis mais rígidas e com fiscalizações para proteger tanto o meio ambiente, quanto a população brasileira.
       Primeiramente, com a falta de fiscalizações e punições quem sofre é a população. Com dois grandes desastres em um período curto de quatro anos, traz medo a população, sendo este medo agravado, por no Brasil possuir 780 barragens de mineração de acordo com o portal Brasil de Fato. Além disso, sem punições severas não parece ter uma conscientização das empresas mineradoras em proteger e assegurar a segurança da população local. Logo, algo precisa ser feito para que desastres ambientais não sejam recorrentes.
       Ademais, com o rompimento de barragens cria-se uma grande extensão de afetados. A lama contaminada de rejeitos caiu em dois rios, o Rio Doce e Paraopeba, poluindo vários quilômetros de extensão. Com isso, prejudicou não apenas a fauna e população local mas também de outras cidades e estados brasileiros. Causando um impacto social e ambiental de larga escala no Brasil. Pois afetara tanto abastecimento local de água quanto as pessoas que pescam nos rios, pois tanto os peixes quanto a água estarão contaminados, sendo impróprios para o consumo humano.
       Fica evidente, portanto, que medidas urgentes devem ser tomadas, tanto por empresas quanto pelo Governo. O Ministério do Meio ambiente junto ao Judiciário deve tronar as leis mais rígidas e com menos burocracias para sentenciar os culpados mais rapidamente, acabando com a impunidade. E junto a Ongs ambientais devem fazer constantes fiscalizações nas barragens e exigir relatórios trimestrais das empresas, que se irregulares serem interditadas até a regularização delas. Deste modo, no futuro problemas ambientais serão criminalizados e evitados.