Desastre em Brumadinho e a gravidade da reincidência dos crimes ambientais

Envie sua redação para correção
    No dia 25 de janeiro de 2019,veículos midiáticos,divulgaram um dos maiores desastres ambientais com rejeitos de mineração no Brasil,ocorrido na região de córrego do feijão em Brumadinho-MG,podendo ainda ser considerada a segunda maior catástrofe industrial do século e o maior acidente de trabalho já ocorrido no território brasileiro.Esse acontecido,evidencia o quão problemática é a negligencia por parte do governo,que não oferece leis ambientais severas que garantam a segurança das comunidades e da natureza.
       Em primeira análise,é evidente que surgiu uma enorme repercussão,pelo fato de mais de 200 mortes e cerca de 93 pessoas desaparecidas,além disso,deixando muitos desabrigados.Vale salientar,os impactos ambientais que foram causados pela grande quantidade de rejeitos e pela força em que foram liberados,como a destruição de grande parte da vegetação local,morte de diversas espécie de animais e vindo também,a atingir o rio Paraopeba,um dos afluentes do rio São Francisco.
       Segundo informações da mineradora Vale,a barragem estaria inativa e sem risco de rompimento,fica evidente,a falta de fiscalizações por parte da empresa e que medidas não foram tomadas para que isso não viesse a ocorrer.Pois,como dizia o filósofo Thomas Hobber, "O homem é o lobo do homem",ou seja,os responsáveis não deram a devida importância para a situação em destaque,visando apenas,a obtenção dos lucros,por meio dos trabalhos realizados.Crimes ambientais estão se tornando cada vez mais presentes pela irresponsabilidade humana,como o já ocorrido em Mariana-MG em 5 de novembro de 2015 e vindo a se repetir em Brumadinho.
       Desse modo,medidas devem ser tomadas,através do poder publico,com a criação de leis ambientais mais severas,com garantia a segurança das comunidades e da natureza.As mineradoras devem fazer a exploração de minérios de forma estratégica e com regime de licenciamento e fiscalização rígidos e a reciclagem e reaproveitamento devem ser priorizados,afim,de não vir em conta,somente a obtenção de lucros e sim a segurança dos indivíduos.