Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    Na 2º Guerra Mundial, médicos nazistas usavam judeus como cobaias nos campos de concentração para aprimorar técnicas cirúrgicas. Esses testes eram cruéis e custou várias vidas, no entanto, foi essencial para o avanço da medicina, permitindo a realização de várias cirurgias bem sucedidas. Uma delas, o transplante de órgãos, enfrenta hodiernamente, problemas para ser realizada devido questões morais, religiosas, entre outras. Além disso, o trabalho dos médicos se torna menos eficaz e mais difícil com as condições precárias em que os hospitais brasileiros se encontram. 
     Em primeira análise, a doação de órgãos por conta de morte cerebral é a mais recorrente. Contudo, para que essa seja efetuada existem burocracias e regras, além da dificuldade de conseguir a permissão da família do doador. Acontece que, cerca de 47% das famílias recusam a doação, ou seja, quase metade dos órgãos são desperdiçados. Isso ocorre pois a perda de um ente é algo difícil de aceitar, a decidir sobre a doação envolve muita pressão e responsabilidade, sobretudo, o sentimento de dor e perda. Ademais, algumas religiões são totalmente contra a realização desse procedimento, o que consequentemente, acaba interferindo no julgamento das famílias.
     Em segunda análise, tempo é algo precioso quando se fala em transplantes, e as atitudes cabíveis devem ser tomadas o mais rápido. Como se não bastasse essa corrida contra o tempo, o Brasil hoje dispõe de um baixo número de médicos, e cirurgias desse porte requer uma quantidade rigorosa de profissionais, não só médicos, mas também anestesistas, enfermeiros e outros. Outro recurso em escassez são os aparelhos e utensílios cirúrgicos. Muitas cirurgias não obtêm sucesso devido a precariedade dos hospitais, o que transforma o trabalho dos poucos profissionais ainda mais difícil. 
     Sob esse viés, medidas são necessárias para revolver esses impasses. Diante disso, o Ministério da Saúde deve intervir com campanhas de incentivo a doação de órgãos, sensibilizando o público informando a importância e ajuda que esses atos proporcionam. Concomitantemente, o Governo, junto ao MS, devem direcionar verbas necessárias para o devido abastecimento de utensílios cirúrgicos que não chegam nos hospitais. Dessa forma irá proporcionar um trabalho mais fácil e seguro de ser realizado. Ainda, tendo números insuficientes de médicos nos centros cirúrgicos, o Ministério da Educação deveria aprimorar o programa Mais Médicos, propondo bolsas estudantis, facilitando a formação desses profissionais.