Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    A doação de órgãos teve início em 1954, em Boston, onde o cirurgião Joseph Murray obteve sucesso em um transplante de rins entre dois irmãos gêmeos. Com os avanços obtidos pela medicina, hodiernamente, os transplantes podem ocorrer entre pessoas completamente diferentes. Entretanto, no Brasil, a falta de informação da sociedade e a má qualificação de profissionais e de hospitais públicos acabam tornam-se barreiras que impedem a realização dos procedimentos.
          A lei 9434, da Constituição Brasileira, legaliza a doação de órgãos perante aceitação do individuo ou da família desse. Contudo, a ausência de conhecimento da comunidade sobre o assunto causa a negação da doação. Tendo como exemplo, casos aonde ocorre morte encefálica, nesse momento pode-se retirar os órgão do cidadão para realizar transplantes, muitas vezes esse procedimento é negado por conta do medo dos familiares de causarem algum dano visível ao corpo desse.
          Dados da ABTO, Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos, mostram que os números de transplantes aumentaram 15,7% no primeiro semestre de 2017. No entanto, há uma carência de investimentos relacionados a área de doações de órgãos, no Brasil, cerca de um bilhão de reais são investidos no setor, segundo a Associação, sendo considerado pouco perante os gastos. Na Espanha, país onde há o maior índice de doações no mundo, cerca de 40,2% da população sendo doadora, investe cerca de cinco bilhões de reais, segundo a ONT( Organização Nacional de Transplantes), que afirma haver capital direcionado à propaganda, aos profissionais e aos hospitais da área.
           Por conseguinte, urge-se que essas barreiras sejam quebradas para mostrar a sociedade a importância dos transplantes. O Ministério da Saúde em parecerias com escolas e postos municipais devem criar panfletos, palestras e cartazes que chamem a atenção de todos os indivíduos. Com isso, a comunidade ficará ciente dessa necessidade, e muitos deixaram claro à família se querem ou não serem doadores facilitando os procedimentos.