Dilemas da doação de órgãos

Envie sua redação para correção
    De acordo com o poeta francês Vitor Hugo, morrer não é acabar, é a suprema manhã. Por analogia,  a transição desse mundo terreno para a pós-vida é uma certeza universal. Desta forma, é possível afirmar que a doação de órgãos humanos tem tanto aspectos positivos quanto negativos. Se por uma lado, há pessoas que se sacrificam ao doar uma preciosa parte de seu organismo, a fim de salvar a vida alheia; por outro, existe uma maléfica indústria de órgãos no mercado negro que visa ao lucro, a qualquer custo.
          Nesse sentido, o Brasil tem tentado, através do documento "RG de doador", conscientizar a população sobre a importância da generosidade ao ceder olhos, fígados e rins, dentre outros,  para que os hospitais consigam salvar vidas em uma emergência. Além disso, de acordo com o jornal Folha de Sao Paulo de 2016, existem campanhas feitas por ONGS  para que pessoas ainda vivas possam legar uma parte do corpo que não ofereçam riscos sérios, como sangue e medula óssea.
         Contudo, com o advento da deep web - uma ampla parte da internet em que o número de IP não pode ser rastreado, tornou-se extremamente difícil o monitoramento de infratores que comercializam ilegalmente esses órgãos vitais. Em outras palavras, criminosos escapam sem a devida punição, como pode ser constatado pela grande quantidade de cirurgias realizadas em países de terceiro mundo, como nas Filipinas, na Índia e em Israel.
        Assim sendo, é necessário que a ONU, juntamente aos governos federais, invista em alta tecnologia na área de segurança da informação, contratando especialistas em computação e em desenvolvimento de software, para que eles possam encontrar esses transgressores e entrega-los à polícia. Ademais, os ministérios da educação, ao redor do mundo, devem criar campanhas educacionais através de cartilhas, livros e panfletos, direcionados a população mundial, descrevendo minuciosamente  a relevância e a valia de que, ao doar, o homem estará salvando milhares de vidas, as quais, até outrora, estavam à mercê do destino.